Capítulo 6

Capítulo 6 - Seguindo em Frente


Um mês depois do último encontro com Daniel, Enzo ainda não tinha encontrado o ex-namorado novamente, tal como ele havia solicitado. Porém, em uma terça-feira, enquanto saia da aula, ele teve uma surpresa ao ver o rapaz do lado de fora, sendo que Frida não tinha ido naquele dia, e se surpreendeu ainda mais quando este veio falar com ele:

- Oi Enzo...er...eu posso conversar contigo? - Ele parecia um pouco nervoso, porém também estava aparentemente decidido.
- Ah...claro...eu estava indo até a "Snack" para lanchar, então se quiseres podes me acompanhar... - Enzo tentou parecer tão firme e tranquilo quanto possível.
- Vamos lá então! - Um sorriso apareceu no rosto do rapaz, o que foi notado por Enzo, mesmo que este não tivesse demonstrado.

Os dois caminharam em silêncio por alguns instantes, até que Enzo, percebendo o desconforto,  disse:

- Então...como você está? - Ele usou um tom casual, embora tivesse um interesse genuíno, afinal, mesmo que ainda estivesse triste, ele ainda se importava com Daniel.
- Bem...bem mesmo...e você?
- Ótimo...

A conversa se encerrou neste ponto, visto que nenhum dois achou outro assunto para conversar, até que eles chegaram à lanchonete e se sentaram à uma das mesas. Depois disso, Enzo finalmente retomou a conversa com a pergunta que estava martelando em sua cabeça:

- O que você quer conversar comigo Daniel? - Ele usou um tom gentil, porém foi firme e objetivo.
- Bem...eu não sei bem como explicar...eu...
- Daniel, vai direto ao ponto, tudo bem? - Enzo finalizou a frase com um sorriso e uma expressão inquisitiva no rosto.
- Calma, isso não é tão fácil pra mim...eu sinto saudades de ti, é isso! - Daniel não ousou fitar o rosto de Enzo.
- Tudo bem, mas o que você quer de mim especificamente?
- Primeiro, eu quero que você me desculpe por ter te colocado em uma posição difícil na última vez em que nos vimos! Segundo, eu sei que você me pediu que te deixasse em paz, mas você era meu melhor amigo e agora simplesmente não fala comigo!
- Não se preocupe com aquilo, já não tem a menor importância! - Enzo olhou fixamente nos olhos de Daniel, que intermitentemente desviava o olhar.
- Sério? Então você me perdoa?
- Sinceramente? Por me colocar naquela situação sim, mas jamais por ter terminado comigo de um jeito tão bruto...
- Enzo, eu já...
- Deixa eu terminar - Disse Enzo decidido - Eu não me importo mais com isso, mas, de verdade, ainda não encontrei uma maneira de te perdoar!
- Mas você não pode nem pelo menos ser meu amigo? - Respondeu Daniel.
- Para que você quer continuar a nossa amizade? Se você terminou comigo, é porque algo está errado.
- Você não diria isso se soubesse dos meus motivos, mas isso não importa. Eu só quero que nós possamos reatar a nossa amizade...eu sinto falta daquele rapaz magricela que se tornou o meu melhor amigo desde que eu cheguei à universidade!
- Eu não sei Daniel...realmente não sei... - Enzo olhava para o próprio colo, então movimentou a cabeça para olhar em direção a Daniel e disse: - Nós podemos tentar, mas se não der certo, eu quero que você me deixe em paz!
- Sério? - Daniel tinha um expressão genuinamente feliz no rosto, então se levantou e disse: - me dá um abraço então!
- Não Daniel! - Enzo fez sinal para que o rapaz se sentasse - Vamos com calma tá?! Sem tanto contato físico! Só toca aqui - Ele estendeu a mão fechada para Daniel, que retribuiu o gesto, mesmo que visivelmente contrariado.
- Tudo bem, já é um começo!
- Eu acho que sim...então, me fala, como está a Frida?
- Ah, bom...tudo certo com ela!
- Por que ela não veio hoje?
- Ela...teve um imprevisto em casa e não pode vir! - Daniel parecia um pouco nervoso.
- Você sabia que ela não vinha hoje? Ela não sabe que estás aqui?
- Sabia...bem, eu precisava conversar a sós contigo e a Frida não aceita muito bem que eu queira ter algum tipo de relação contigo sabe?
- Em resumo, ela não sabe! - Enzo não conseguiu disfarçar um sorrisinho no canto dos lábios.
- Isso! Você ainda é bem insistente quando quer saber de alguma coisa né?
- Bem, velhos hábitos não mudam!

Os dois ainda conversaram bastante, em um tom cada vez mais descontraído e menos constrangido pelo que houvera entre eles, até que Enzo se levantou e disse que precisaria ir para a aula da tarde. Assim, eles se despediram e caminharam em direções opostas, ambos com a sensação de que algo muito importante tinha mudado entre eles.
Daniel, particularmente, estava radiante com a possibilidade de retomar a sua amizade com Enzo, pois já que ele não poderia se permitir amá-lo de um modo diferente, tê-lo como amigo era um fato que o deixava muito feliz. Depois de deixar a UFTU, o rapaz foi até a casa de Frida, que, conforme ele tentara omitir de Enzo, estava cuidando da mãe, que tinha sido agredida pelo pai dela. Quando esta atendeu à porta, prontamente disse:

- Onde você estava Daniel?
- Calma, eu estava resolvendo alguns assuntos! - Disse o rapaz enquanto adentrava a residência.
- Que assuntos Daniel? Poxa, eu fiquei te esperando aqui a manhã toda e você nem me ligou, pelo menos para dizer onde estava - Frida aumentava o tom de voz a cada palavra.
- Frida, pára de gritar, por favor! Eu preciso te contar uma coisa e se você estiver estressada talvez não receba isso muito bem! - Disse Daniel em tom calmo.
- O que você tem para me contar? É sobre aquele...é sobre ele?
- Sim Frida, é sobre o Enzo! - Respondeu o rapaz, com firmeza - Eu falei com ele hoje e nós combinamos que nós tentaríamos retar a amizade!
- Daniel, aquele ridículo não é pra você! Esquece ele, você não precisa da amizade de alguém com caráter tão duvidoso quanto ele!
- Frida, meu amor, eu já lhe expliquei mais de mil vezes que nós nunca te traímos! E, se você acha que o caráter dele é tão duvidoso, então deveria achar o mesmo de mim, pois fui eu quem o levou a assumir um namoro comigo, mas enfim, isso é passado! Mas você também poderia tentar reatar a sua amizade com ele!
- Claro que não meu amor! Eu nunca voltaria a ser amiga dele! Ele te confundiu meu amor e fez você imaginar ter sentimentos por ele que você jamais teve de fato, se não, porque teria reatado o namoro comigo?
- Eu não concordo com você, meu amor, mas tudo bem, isso é passado! De qualquer modo eu senti falta da amizade dele e, apesar de compreender que você não queira ser amiga dele novamente, eu ainda quero tê-lo como amigo!
- Bom, desde que você fique atento para que ele não te confunda de novo, eu prometo que vou fazer um esforço para aturar essa relação de vocês!
- Muito obrigado meu amor! Agora, como está a sua mãe?
- Ela não está nada bem! venha vê-la.

Mais tarde, na lanchonete da UFTU, Pietro comentava o que Enzo tinha lhe contado sobre a conversa dele com Daniel:

- Eu não acredito que você vai simplesmente aceitar ser amigo dele novamente Enzo!
- Ah Pietro...eu também não sei o que me deu, mas é que, para falar a verdade, eu também estava sentindo falta da amizade dele, e já que ele só quer uma chance de tentar novamente, quem sou eu para negar?
- Quem é você? Deixe-me lhe dizer! Você é aquele rapaz que eu encontrei encolhido no chão do banheiro, porque esse tal de Daniel, que agora quer ser seu amigo, mexeu com seus sentimentos e depois foi embora sem olhar para trás - Pietro tinha aumentado o tom de voz e estava com uma expressão dura.
- Calma Pietro - Disse Enzo, concomitantemente surpreso com a intensidade com que o rapaz dissera aquilo e decidido a explicar a sua atitude - Eu sei que aquilo foi muito insensível da parte dele, mas eu realmente acho que ele quer ser meu amigo novamente, então eu resolvi dar uma chance para ele, entende?
- Infelizmente não Enzo... - Pietro tinha baixado o tom de voz e estava se esforçando para falar pausadamente, então, com meio sorriso ele disse: - Mas, se é isso que realmente queres, eu te apoio e te ofereço o meu suporte, caso você se decepcione com ele novamente.
- Obrigado Pietro, fostes um anjo que veio pra minha vida! Eu nem sei como eu estaria se não fosse pelo teu apoio desde aquele dia, tanto porque me tirastes da festa e ficastes comigo até eu me acalmar, como porque vens me dando muito apoio desde então.
- Que nada Enzo...é só que és uma pessoa muito boa e não mereces te decepcionar com ninguém ou ser tratado mal. Além disso, eu gosto da tua amizade!
- Eu também gosto muito da tua amizade!

Eles permaneceram conversando sobre este e outros assuntos durante um bom tempo, até que se despediram e foram para as suas respectivas casas. Enquanto estava no ônibus, Enzo refletia sobre o modo como se sentia em relação a Daniel e chegou a conclusão de que, com certeza, ainda o amava, mas estar perto dele tinha se tornado estranhamente menos desconfortável ou doloroso. Parecia que a partir daquele momento ele, efetivamente, estava seguindo em frente com a sua vida e deixando o grande amor entre ele e o seu ex-namorado no passado.Mas como seria tentar ser apenas amigo de alguém que ele tinha amado tanto?
No outro dia, Enzo foi acordado por alguns gritos que vinham do lado de fora de sua casa, então se levantou e abriu a janela para verificar que, para sua surpresa, o seu pai estava gritando com alguém que ele, depois, percebeu ser Daniel. Assim, rapidamente, ele vestiu uma roupa e correu até a frente da sua casa onde Roberto bradava:

- EU JÁ MANDEI VOCÊ IR EMBORA DAQUI RAPAZ!
- Pai, o que está acontecendo? - perguntou Enzo, olhando para os lados, onde alguns vizinhos estavam observando.
- ESSE CARA NÃO TEM NADA O QUE FAZER AQUI! - bradou novamente Roberto.
- Pai, tudo bem...eu resolvo isso! Mas pare de gritar, por favor! Os vizinhos já estão olhando! - disse Enzo encabulado.
- Mas, meu filho, o que você ainda quer conversar com esse rapaz, que te fez tanto mal?
- Eu explico melhor daqui a pouco, só entre em casa por favor!
- Tudo bem, mas qualquer coisa é só me chamar!
- Tudo bem pai, muito obrigado! - Enzo observou o pai caminhar e entrar em sua casa, então se virou para Daniel e disse: - Oi Daniel!
- Nossa, que bom que o seu pai ainda me adora né? - respondeu Daniel rindo - Bom dia Enzo!
- Bom, não é sem motivo certo?! - respondeu Enzo, de braços cruzados e com uma expressão séria - O que estás fazendo aqui?
- Bem...isso é verdade - respondeu Daniel com uma expressão de constrangimento, então complementou - Bem, eu vim te oferecer uma carona para a UFTU! Aceitas?
- Eu não vou para a aula hoje! Eu vou a uma consulta.
- Ah...bem, então eu volto amanhã!
- Daniel...eu não acho uma boa ideia! - afirmou Enzo, com um tom calmo e ponderado - meu pai realmente não te vê com bons olhos atualmente e, além disso, a Frida não vai gostar disso!
- Mas eu pensei que nós voltaríamos a ser amigos!
- E nós somos Daniel! Mas não força a barra, por favor! A gente precisa ir com calma e, com certeza, você vir me buscar em casa não me ajuda a te dissociar do papel de namorado e não de amigo!
- Mas eu sempre te busquei e te deixei na tua casa! Mesmo antes de te beijar na cozinha da casa da Frida!
- Eu sei, eu sei! - aquela lembrança fez o estômago de Enzo se revirar - mas eu acho melhor isso não ocorrer por enquanto! Eu não sei se já te disse isso, mas esse era o melhor momento do meu dia, por isso ainda é muito significativo para mim.
- Eu entendo... - Daniel estava com uma expressão triste - Nesse caso, eu já vou. Desculpa o incômodo!
- Não fica assim Daniel, isso me deixa triste!
- Do que você está falando?
- Daniel, podes tentar mentir para outra pessoa, mas eu sei muito bem quando estás triste! Fazes um olhar de cachorro com fome! - Enzo riu.
- Não é verdade! - respondeu Daniel, rindo também.
- Olha, desculpa, eu sei que estás te esforçando para reatar a amizade. Eu aprecio muito isso, mas ainda tenho algumas restrições e acho que podes entender o porquê.
- Sim, eu entendo!
- Pois é, mas como uma demonstração de que eu também estou me esforçando eu quero te convidar para dar uma volta hoje! Lanchar, passear e conversar! A velha tríade!
- "A velha tríade"! Eu me lembro disso! - disse Daniel risonho.
- E aí, aceitas?
- É claro que aceito! Mas...eu posso vir te buscar!
- Olha, eu acho melhor não! Mas eu aceito que me tragas de volta! Tudo bem assim?
- Já é um começo!
- Então estamos combinados! Agora dá o fora, antes que meu pai venha te dar um soco! - finalizou Enzo, entre risos.

Depois disso, Enzo caminhou até a sua casa e, ao passar pela sala, encontrou seu pai lhe esperando na sala, o qual, prontamente, disse ao vê-lo:

- Enzo, o que aquele rapaz estava fazendo aqui?
- Pai...eu sei que o senhor não vai aprovar isso, mas ontem ele veio me pedir para eu perdoá-lo e para nós voltarmos a sermos amigos e, bem...eu aceitei.
- Meu filho, eu tive que te buscar naquela festa, porque vocês estava simplesmente encolhido no chão do banheiro! E por causa dele! você lembra disso?
- Eu lembro pai, mas pega leve com ele, afinal a mãe dele morreu há pouquíssimo tempo! Confia em mim, eu acho que é melhor assim!
- Olha filho, nada justifica aquele tipo de atitude, então, se realmente fores dar uma segunda chance para ele, faça isso porque quer e não por pena, tudo bem? Eu sei que você é uma pessoa sensata, mas às vezes erramos em nossas escolhas, então eu só te peço para ter cuidado com essa relação! Não deixa ele te ferir novamente filho!
- Ah pai, obrigado pela preocupação! - Enzo abraçou o pai.
- É o meu papel meu filho! Eu te amo muito para deixar qualquer pessoa te machucar!

Assim, Enzo resolveu a situação com o pai e se arrumou para ir à consulta médica que estava marcada para 10:00. Como de costume no último mês, Pietro sempre acompanhava Enzo para todos os lugares e, quase sempre, utilizando o carro que ele afirmara ser do tio. Isto despertou a curiosidade de Enzo que, enquanto os dois estavam na sala de espera da clínica, indagou:


- Pietro, o teu tio não usa muito o carro né?
- Por que estás perguntando isso? - respondeu Pietro sobressaltado.
- Ah, não sei, eu sempre te vejo com ele! - afirmou Enzo.
- Enzo...se eu te confessar uma coisa, prometes não ficar chateado?
- Depende...o que é?
- Bom...é que, na verdade o carro é meu!
- SABIA! - gritou enzo, o que atraiu a atenção de algumas outras pessoas presentes na sala de espera, então, baixando o tom de voz, continuou: - mas por que mentiu para mim?
- Como sabias? - indagou Pietro surpreso.
- Ah Pietro, não é preciso ser um gênio para perceber que as tuas coisas vivem jogadas pelo carro e os teus CDs estão sempre por lá também! Mas, por que mentiu para mim menino?
- Ah... - Pietro corou - acho que eu não sei mentir muito bem, certo? - ele riu então, continuou - não menti por mal Enzo, apenas não sabia como te dizer a verdade depois que eu já tinha dito naquele dia que eu sempre andava de ônibus!
- Mas por que dissestes isso então?
- Eu queria te acompanhar até a parada e continuar conversando contigo! Depois voltei e peguei o carro no estacionamento - Pietro continuava corado - Sinto-me meio idiota nesse momento!
- Relaxa, não és idiota não! Mas se mentir para mim de novo eu vou te bater! - Enzo riu.

Depois da consulta, Pietro e Enzo foram para a UFTU, para as suas respectivas aulas da tarde, porém, como ainda estava cedo, eles resolveram almoçar na "Snack". Entre muita conversa e uma farta refeição, o tempo passou e os dois foram para as salas de aula. Quando Enzo chegou à sua sala, encontrou Frida, que, para sua surpresa, veio falar com ele:

- E aí Enzo?! Eu vim perguntar o que você quer com o meu namorado! - ela finalizou apontando o dedo indicador para o rapaz.
- Frida, você tem dois segundos para tirar esse dedo da minha frente ou vai precisar de reabilitação depois! E, quanto à sua pergunta, eu não quero nada que não seja uma boa relação de amizade! - Enzo sorriu e piscou para ela.
- Eu acho melhor que seja isso mesmo!
- Frida, eu não te devo qualquer explicação e também não fico nem um pouco amedrontado com qualquer ameaça sua! Agora faz o favor de voltar para o teu lugar!
- Eu voltarei porque eu quero! Só mais uma coisa, eu acho que formas um casal melhor com aquele desajeitado com quem estás sempre andando agora! - ela riu e se dirigiu à sua cadeira.

Durante a aula, Enzo recebeu uma mensagem de Daniel: vamos sair depois da tua aula tá? eu saio ás 18:00 e eu sei que vais sair às 17:00, então me espera na "Snack" e quando eu sair te encontro lá. Assim, quando a aula terminou, Enzo fez como o rapaz tinha dito, esperou na lanchonete até o horário marcado, enquanto lia algumas anotações e estudava alguns assuntos. Daniel chegou quase pontualmente no horário, dizendo com um semblante abatido:

- Oi Enzo...
- Oi Daniel! Aconteceu alguma coisa? Estás com uma cara abatida.
- Por que não me contastes que estás namorando de novo?
- Por que eu não estou! - respondeu Enzo calmamente - quem te disse isso?
- Uma fonte segura! Apenas pensei que fosses sincero comigo!
- Olha Daniel... - disse Enzo irritado - em primeiro lugar, sabes muito bem que eu odeio que me acusem injustamente e sem provas! em segundo lugar, eu não te devo satisfação e nem preciso da tua permissão para que eu possa namorar ou não alguém!
- Ah claro, isso porque você disse que tinha ficado arrasado com o término do nosso namoro! Imagina se não tivesse ficado!
- Como ousas falar disso! E como ousas continuar me acusando! - Enzo se levantou da cadeira em que estava.
- Por que eu sei que estás namorando com aquele tal de Pietro! Qual é? Por que não admite logo, vocês dois estavam juntos naquele dia da festa, vocês vivem juntos o tempo todo! Até deixastes ele te trazer de carro hoje.
- Eu já disse que não te devo satisfação! E, para a sua informação, o Pietro tem sido um amigo tão bom ou até melhor que você! - Enzo caminhou furioso até a saída da lanchonete.

Enquanto caminhava distraído pela calçada, em direção à parada de ônibus, Enzo não percebeu que uma figura se aproximava dele, até que sentiu o cano de um revólver tocar em suas costas e alguém dizer: - passa a carteira!

Minutos depois que a figura que o abordara havia deixado o local com a sua carteira, Daniel chegou ao local e, ao ver Enzo ainda atordoado, disse:

- Enzo? Aconteceu alguma coisa?
- Eu acabei de ser roubado! - Enzo falava pausadamente - o cara apontou uma arma para mim! Isso...isso foi horrível!
- Meu Deus! Mas estás bem?
- É claro que eu não estou bem Daniel! E já era para eu estar em casa se eu não tivesse que esperar você sair da aula, somente para me importunar a paciência!
- Eu vim pedir desculpas Enzo...eu não sei porque eu agi daquele jeito!
- Eu sei! Porque você é um idiota! E quer saber, eu acho que isso não vai dar certo! Eu não quero ter que ficar te desculpando todo santo dia! Vamos voltar a como estava antes tá? Eu preciso seguir em frente e você não está colaborando nenhum pouco!
- Eu já disse que sinto muito!
- Tudo bem por aqui? - disse Pietro que havia chegado repentinamente.
- Oi Pietro! - respondeu Enzo - Tudo bem sim!
- Estás precisando de ajuda? Parecia que vocês estavam discutindo.
- Bom, nós estávamos de fato! Mas está tudo sob controle! Porém, eu acho que vou precisar de ajuda com outra coisa, porque eu acabei de ser roubado e fiquei sem dinheiro para voltar para casa, então será que poderias me dar uma carona?
- Claro Enzo! Vamos logo!
- Podes ir logo pegar o carro enquanto eu termino de conversar com o Daniel? Por favor.
- Posso sim, te espero no estacionamento tá?
- Tudo bem! Muito obrigado Pietro! Te encontro daqui a pouco.
- Por que pediu carona para ele? Eu posso muito bem te deixar em casa!
- Eu sei, mas eu não quero! Daniel, eu fiquei muito chateado com o que me dissestes hoje! Pensa bem, aparecestes namorando com a Frida só alguns dias depois de ter terminado comigo, e sabe o que eu fiz? Eu chorei! Mas eu toquei no assunto desde então? é claro que não! Uma amizade às vezes necessita que as pessoas finjam que certas coisas não aconteceram e você, simplesmente, não consegue! Então, se você for ficar me fazendo recordar cada dia que nós namoramos e que você agiu como um crápula comigo, eu, sinceramente, acho que isso não vai dar certo!
- Eu... eu não sei o que dizer! - Daniel baixou a cabeça.
- Não diz nada - Enzo, para surpresa de Daniel, abraçou o ex-namorado - apenas siga com a sua vida e me deixe seguir com a minha. Eu juro que eu queria que pudesse ser diferente, mas acho que nós não podemos nem mesmo ser amigos! - Enzo se afastou de Daniel, enquanto limpava algumas lágrimas do rosto - eu te amo demais para isso e acho que estar tão próximo de você talvez seja mais doloroso do que eu pensei!
- Enzo...
- Daniel, a pessoa por quem eu me apaixonei não existe mais, porém eu pensei que o meu melhor amigo ainda estivesse aí em algum lugar! Aquele que fazia cada segundo do meu dia mais feliz!
- Eu ainda posso ser esse cara...
- Eu acho que não! Esse seu ciume me faz ter esperanças que você me disse há algum tempo que não existem mais e isso me faz mal!
- Enzo, eu não quero ficar longe de ti! Esse mês em que não nos falamos foi horrível!
- Eu também me senti da mesma forma, mas eu acho que preciso de um tempo maior para, efetivamente, seguir em frente! Deixar de te ver, para mim, é um mal necessário! Espero que possas compreender! Eu não estou mais com raiva de você, é só que eu não consigo lidar com isso como eu achei que conseguiria!
- Eu compreendo! Mas me diz, pelo menos, que isso não é um fim e sim uma pausa!
- Nada é um fim nas nossas vidas Daniel! Eu não posso controlar o dia de amanhã, mas, por hoje, eu acho melhor não nos vermos mais!

Enzo saiu caminhando de volta para o estacionamento da UFTU, onde encontrou Pietro lhe esperando. Este apenas disse:

- Tudo bem mesmo?
- Nem um pouco! Me leva para casa , por favor!
- Como quiser!

Durante a viagem de volta para casa, Enzo se permitiu chorar e aliviar os sentimentos que ele vinha tentando conter em relação a Daniel, pois ele sabia que Pietro não diria nada até que ele estivesse pronto para falar. Quando chegaram em frente da sua casa, ele ainda demorou a sair do carro, para tentar se recompor, então, finalmente, desceu e caminhou em direção à casa, depois de agradecer e se despedir de Pietro, que realmente não tinha dito ou perguntado nada durante toda a viagem. Ao passar pela sala, o rapaz apenas cumprimentou brevemente os pais e correu diretamente para o quarto, onde se deitou e adormeceu em poucos minutos, pois estava cansado e não conseguiu se permitir pensar ou refletir sobre o que acontecera naquele dia.
No outro dia, Roberto estava decidido a ligar para a casa de Daniel, a fim de "compartilhar a sua opinião" sobre o que acontecera no dia anterior. Enquanto isso, Enzo estava tendo grande dificuldade em dissuadi-lo da ideia:

- Pai, o senhor não pode ligar para a casa dele! o Seu Pedro não sabe que Daniel e eu namoramos!
- Eu não me importo! Quem esse rapaz, ou melhor, esse moleque pensa que é pra ir e vir da sua vida quando quiser, fazer e acontecer desse jeito? - Respondeu Roberto decidido.
- Pai - Enzo pôs as mãos nos ombros do pai - Deixa isso comigo tá? Eu estou aqui, inteiro e de bem com a vida! Eu não quero mais nada com o Daniel e a melhor forma do senhor me ajudar é me ajudando a esquecer completamente dele. Pode ser?
- Eu não gosto disso...mas tudo bem, se é o que você quer... - Disse Roberto resoluto.

Enzo, de fato, se empenhou em se afastar de Daniel e, de certa forma, este contribuiu para isso, na medida em que não buscou mais Frida na porta da sala e nem se fez presente nos mesmos locais frequentados por Enzo. Além disso, o semestre logo chegou ao fim, assim como as aulas na UFTU, o que deu ao rapaz um tempo livre do local em comum com o ex-namorado. Desse modo, seja por intencionalidade de Daniel ou por pura "sorte" de Enzo, passou-se dois meses nos quais Enzo seguiu com sua vida e cultivou uma amizade forte com Pietro, que se tornou um grande confidente e um porto-seguro para os momentos em que Enzo sentia qualquer dificuldade. Os dois inclusive viajaram juntos para o Rio de Janeiro, a fim de aproveitar as férias na casa dos pais de Pietro, que adoraram conhecer Enzo.
Em contrapartida, Daniel tentou continuar o namoro com Frida, porém, depois da interrupção das aulas na UFTU, ele perdeu o interesse no relacionamento e passou a permanecer horas no quarto, simplesmente deitado. Certo dia, o pai do rapaz, preocupado com a situação, indagou:

- Daniel, meu filho, você precisa sair desse quarto! - disse o homem em tom preocupado - Por que você não liga para um dos seus amigos e o convida para sair ou fazer alguma coisa?
- A maioria está viajando pai - respondeu o rapaz, que estava com a barba por fazer, cabelos desgrenhados e com feições de sono - E eu também não quero sair daqui...
- Mas por que? Aconteceu alguma coisa?
- Sim...eu não tenho mais motivação para sair de casa...foi isso que aconteceu...
- Mas e a Frida?
- Nós terminamos... - respondeu o rapaz desleixadamente - agora, se o senhor não se importar, eu vou voltar a dormir....
- Ah, eu me importo! - disse Pedro com firmeza - Arrume-se e venha comigo...eu quero te levar a um lugar...
- Eu não quero ir pai...
- Por favor Daniel, faça isso por mim!
- Ahh...tudo bem...estarei na sala em dez minutos! - respondeu Daniel contrariado.

Depois de tomar banho, fazer a barba, colocar roupas limpas e pentear o cabelo, Daniel partiu com o pai para um local que foi mantido em segredo até que o rapaz avistou um local familiar da estrada no qual ele lembrou já ter estacionado na companhia dos pais, então ele perguntou:

- Por que você me trouxe aqui pai?
- Por que eu quero que você lembre de uma coisa... - respondeu o pai do rapaz - Mas precisamos fazer aquela velha trilha...então, topa?
- Tudo bem...
- Que bom, então vamos.

Os dois seguiram uma trilha dentro de uma floresta por quinze minutos, até que chegaram na beira de um riacho, no qual havia uma pequena cascata, onde eles se sentaram. Nesse momento, Daniel, impacientemente, perguntou:

- Agora você pode me dizer o motivo pai?
- Posso sim meu filho! Na verdade eu quero que você me diga uma coisa - disse Pedro com um tom de voz calmo - Você se lembra do que me disse na última vez em que nós estivemos nesse lugar?
- Ah pai, eu devo ter dito muita coisa! Eu não sei...
- Não meu filho - continuou Pedro - Você me disse da última vez que estivemos aqui, há mais de dois anos, que você queria ser educador físico, porque o seu sonho era ser como o seu instrutor de natação e eu lhe disse que desistisse disso...lembra?
- Err...lembro... - disse Daniel incerto - Mas por que o senhor resolveu me trazer aqui só para me lembrar disso?
- Por que não foi só para isso! Eu queria te mostrar que você é como aquela cascata, segue o seu próprio fluxo e eu não posso tentar te conter...eu fui insensível e ignorante por tentar controlar a sua vida em todos os aspectos possíveis!
- Isso não tem importância pai, eu estou gostando de cursar Direito!
- Mas eu não estou me referindo somente a isso...meu filho, eu sei sobre o Enzo!
- Do que você está falando pai - respondeu Daniel apreensivo.
- Não precisa ter medo filho! Eu sei de tudo desde antes da morte da sua mãe!
- É mesmo? Mas por que nunca me disse nada?
- Eu não sabia como tocar no assunto e, para falar a verdade, eu não sabia, ou melhor, ainda não sei como me sinto em relação a isso!
- Como assim? - perguntou Daniel confuso e ainda apreensivo com a possibilidade de decepcionar o pai - o senhor também está decepcionado comigo?
- Também?
- Sim, também estava decepcionando a minha mãe... - respondeu Daniel em tom quase inaudível.
- Do que você está falando? Você nunca nos deixou decepcionados! Na verdade sempre foi o nosso maior orgulho!
- Ela queria que eu tivesse uma boa esposa, mas eu não consigo pai! Eu...eu gosto do Enzo... - Daniel começou a chorar.
- Calma meu filho - disse Pedro ao abraçar Daniel - Eu preciso te contar uma coisa que talvez te faça se sentir melhor - ele respirou fundo, então continuou: - A sua mãe também sabia do Enzo e nunca desaprovou isso, na verdade, ela me disse antes de morrer que te amasse independente de qualquer coisa! Por isso...meu filho, por isso que eu quero que você faça da sua vida o que você quiser a partir de agora, sem pensar se vai me decepcionar ou não! Desde que você não faça nada ilegal, eu nunca vou te dizer que você está errado, pois eu só quero que você tenha um motivo para viver... - Pedro começou a chorar - Não desista da vida, por favor meu filho!
- Pai... - Daniel abraçou o pai bem apertado e os dois permaneceram desse modo por longos minutos, até que Daniel quebrou o silêncio: - Eu não desisti da vida, é só que o fato de perder o amor da minha vida estava me deixando sem vontade de fazer qualquer coisa.
- Eu entendo meu filho...mas eu quero lhe dar um conselho muito valioso também: Não deixe a sua vida depender de outras pessoas! Ame, ame intensamente, mas sempre se permita existir além desse amor, pois quando a relação acabar, você sempre terá as sua próprias razões para viver! É por isso que eu falei da Educação Física...se esse é realmente o seu sonho, vá atrás dele!
- Mas eu vou começar o quinto semestre pai! Isso é metade do curso!
- E dai? Você é jovem! Ainda tem tempo de sobra para ir atrás dos seus sonhos! Eu acho que você precisa e algo novo no que focar para a sua vida! Eu sei que a sua mãe faz muita falta, acredite, mas a vida, infelizmente, tem que seguir sem ela.
- Realmente, ela faz muita falta e o fato de achar que eu talvez pudesse tê-la decepcionado deixou as coisas ainda piores, mas eu...eu não sei, estou me sentindo um pouco mais leve.
- Desculpe por ter omitido isso filho...eu não entendia a profundidade do que você sentia por esse rapaz até o momento em que te vi definhar diariamente por não estar com ele e...desculpe por isso, mas outra noite eu passei perto do seu quarto e ouvi você rezando e pedindo perdão por ainda gostar do Enzo, quando a sua mãe não aprovaria isso. Isso cortou meu coração e me fez repensar a minha decisão de omitir isso de você e, mais ainda, fez-me repensar os meus conceitos. Portanto, se é ele que você ama, quem sou eu para dizer que você está errado?! Apenas não esqueça de você mesmo tá?
- Então...então o senhor está dizendo que aprova isso? - perguntou Daniel animado.
- Bem...sim, eu estou dizendo isso!
- Nossa, o senhor não sabe o quanto isso me faz feliz!
- Bom, eu posso imaginar!

Dessa forma, finalmente, Daniel tomou conhecimento do que a sua mãe pensava a respeito do seu relacionamento com Enzo e isso o deu um novo motivo para se alegrar com a vida. Enquanto voltavam de carro para casa, o pai do rapaz perguntou:

- E agora, você vai voltar a err...se relacionar com aquele rapaz? - Pedro tinha um tom reservado e um pouco desconfortável.
- Relaxa pai - disse Daniel rindo - não precisa ficar tenso! Bom, eu não sei pai...eu pensei no que o senhor disse e talvez eu precise me reestruturar antes de iniciar qualquer relacionamento! Além disso, eu já fiz muito mal ao Enzo e já o fiz sofrer demais sabe? Acho que ele merece ser deixado livre para seguir a vida sem mais sofrimento, mas quem sabe quando eu estiver melhor, nós possamos pelo menos voltar a sermos amigos!
- Eu entendo! Bem, seja lá o que você decida fazer, saiba que tem todo o meu apoio!
- Obrigado pai!
- E quanto à faculdade?
- Bem - respondeu Daniel em tom calmo e firme - Eu realmente não quero largar direito a essa altura do campeonato, mas pensar novamente em Educação Física me trouxe boas lembranças do quanto eu gosto disso...portanto, se o senhor puder pagar o curso, eu ficaria muito feliz em conciliar os dois!
- Você acha que consegue?
- Eu acho que sim pai - respondeu Daniel com segurança - o meu curso tem horários predominantes em um turno a partir de agora, então posso fazer o outro curso no contra-turno.
- Sendo assim, eu ficarei muito feliz de pagar o curso para você! Mas já lhe aviso que eu exijo um rendimento muito bom em ambos os cursos, para me provar que você consegue conciliar os dois, ok?
- Tudo bem pai!

Enquanto isso, no Aeroporto Internacional João Ribeiro Barros, em São Patrício, Pietro e Enzo estão desembarcando de um avião vindo do Rio de Janeiro. Enquanto andavam pelo salão de desembarque, Enzo é surpreendido por alguém batendo em suas costas e dizendo:

- Oi Enzo! - disse Guilherme, outro ex-namorado de Enzo, com a sua habitual irreverência.
- Guilherme! - respondeu Enzo abraçando o recém-chegado - O que você está fazendo aqui?
- Ah, eu vim passar uns dias com os meus pais antes de retornar às aulas. Mas e você, por que está aqui no aeroporto? Está chegando de onde?
- Ah, eu viajei para o Rio com o meu amigo, que, a propósito, chama-se Pietro - disse Enzo apontando para Pietro que tinha se mantido calado durante os cumprimentos dos dois rapazes.
- Ah, ta! Oi Pietro, prazer em te conhecer! - respondeu Guilherme analisando o rapaz dos pés à cabeça e estendendo a mão direita.
- Eu digo o mesmo! - replicou Pietro apertando a mão de Guilherme.
- Vocês estão tipo...namorando? - perguntou Guilherme.
- Não! - respondeu Enzo prontamente - Será que dois rapazes não podem viajar juntos e ainda serem amigos?
- Não com um pedaço de mal caminho como você! - disse Guilherme apertando a bochecha de Enzo.
- Você não muda mesmo não é?! - perguntou Enzo.
- Claro que não! E você me ama assim mesmo certo? - respondeu o rapaz rindo.
- Claro...perdidamente!
- Mas então onde está o seu namorado Enzo?
- Ah...é uma longa história...você tem tempo?
- Claro! Para você todo o tempo do mundo!
- Ótimo! Então você pode vir fazer um lanche conosco! - disse Enzo - Tudo bem para você Pietro?
- Claro, sem problemas!
- Certo, então vamos logo!

Dessa forma, uma figura muito importante da vida de Enzo retorna para a vida ele em um momento no qual ele está tentando "reconstruir" a sua vida sem Daniel, com a ajuda de Pietro, que se tornou o seu melhor amigo.
Os três foram para um restaurante, perto do aeroporto. Depois que Enzo contou toda a história do término de namoro com Daniel, Guilherme teceu o seguinte comentário:

- Nossa! Esse Daniel me surpreendeu heim...pensei que ele fosse meio mosca-morta, mas ele se revelou bem esperto!
- Esperto! - Replicou Enzo boquiaberto.
- Sim, veja só: ele pegou o rapaz mais gato da universidade e depois voltou para a namorada! Típico bissexual inseguro! - Enfatizou guilherme.
- Gui! Isso me fez sofrer muito e você fica fazendo graça! - respondeu Enzo rindo - Não tem como falar sério com você mesmo!
- Você me conhece! Para que chorar se você pode rir disso! Mas e aí, agora que você está disponível, quando nós podemos sair?
- Ah Gui, eu não estou em clima de encontros! Mas seria muito legal sairmos como amigos, você sabe que eu adoro a sua presença!
- Obviamente! - respondeu Guilherme - Bem, isso é melhor do que nada! O seu telefone ainda é o mesmo?
- Sim, e o seu?
- Ainda é o mesmo! Agora, mudando de assunto - disse Guilherme se virando para Pietro, que se mantivera calado durante toda a conversa - E quanto à você Pietro, tem namorado?
- Ah...não! - Respondeu Pietro desconfortável.
- Gui, eu não acredito que você acabou de dar em cima do Pietro dois segundos depois de me pedir pra sair contigo!
- Qual o problema! A fila anda!
- Gui, você é impossível! - exclamou Enzo rindo.
- Mas sim, continuando, por que você está solteiro? Você não é feio! Está de coração partido igual ao nosso amigo aqui? Ou é outra coisa?
- Ah...bem, é uma história meio pessoal!
- Eu não me importo de ouvir! Além disso qualquer amigo do Enzo é meu amigo também! Então pode confiar em mim! - Disse Guilherme decidido.
- Tudo bem Gui! - respondeu Enzo e, virando-se para Pietro, continuou: - Pietro conta logo, porque este aqui, quando quer saber de uma coisa, não desiste fácil e, apesar de um pouco desajustado, é realmente uma pessoa bastante confiável!
- Err...bem - iniciou Pietro um pouco tenso - Na verdade, eu me decidi sobre a minha orientação há pouco tempo e ainda não tive a oportunidade de me relacionar com nenhum rapaz!
- O que! - exclamou Guilherme em um tom um pouco alto - Enzo, como é que você deixa um pedaço de mal caminho desse sem uma companhia, que espécie de amigo é você?
- Gui, eu estava namorando e conheci o Pietro em uma época meio conturbada da minha vida, então ainda não pude fazer esses "favores" a ele! - respondeu Enzo na defensiva - Além disso, ele pode muito bem se arranjar sem a minha ajuda, porque gente querendo ficar com ele realmente não deve faltar!
- Err...eu não estava procurando ninguém para ficar também! - respondeu Pietro hesitante.
- Você quer se envolver sério logo de cara assim?! - disse Guilherme - Não! Inaceitável! Quer sair comigo para uma balada hoje?
- Ah, pode ser - respondeu Pietro mais decidido - Você anima Enzo?
- Não Pietro...ainda não estou muito no clima de baladas, principalmente com o Guilherme!
- O que tem de diferente em uma balada comigo?
- Somente o fato de que você quer dançar a noite inteira e parece nunca cansar já é motivo suficiente! - disse Enzo rindo.
- Isso é verdade! - confirmou Guilherme em tom orgulhoso - E você já foi mais animado né? Esse teu ex te estragou, porque se fosse comigo você ia ser uma pessoa mais enérgica!
- Sim Gui, eu não sou mais tão animado mesmo! Mas fico feliz de ver que você ainda tem toda aquela energia!
- Que você conhece muito bem, certo?! - respondeu Guilherme com um sorriso malicioso.
- Gui! Por favor! - disse Enzo corado.
- Desculpe! Mas é que eu tenho ótimas lembranças da gente!
- Tá, tudo bem! Mas as mantenha para si mesmo, certo! O Pietro não precisa saber delas! - respondeu Enzo - Mas Pietro, pode ir com o Guilherme, tranquilo tá? Ele é realmente uma das pessoas mais legais que eu já conheci e, além de transbordar sensualidade e ser um dançarino incansável, sempre teve muito respeito com os limites.
- Mas a gente ficou de sair hoje...
- Ah, não tem problema! Eu vou para casa matar a saudade dos meus pais, sei lá, ler um livro, ver um filme! - respondeu Enzo - Além disso, estar comigo tem sido um pouco monótono, eu sei, então você deve estar precisando de uma balada!
- Que isso Enzo! Claro que não! Eu gostei muito da nossa viagem!
- Tudo bem, mas, acredite em mim, uma balada com o Guilherme vai ser muito bom! Só não vou porque não estou no clima, mas quem sabe outro dia!
- Então tudo bem - respondeu Pietro - Para onde vamos Guilherme?
- Pode me chamar só de Gui! - disse Guilherme - O meu pai vem me buscar, eu posso pedir para ele deixar você na sua casa Enzo e a gente pode passar na sua casa Pietro, então você pega uma roupa legal e pode se arrumar lá em casa, o que acha?
- Por mim tudo bem! - Respondeu Pietro animado.

Trinta minutos depois, o pai de Guilherme deixou Enzo em casa. Depois de ser calorosamente bem recebido pelos pais, que estavam com muito saudade do rapaz, Enzo foi para o quarto e deitou em sua cama, que estava, como de costume, arrumada e com o cheiro agradável do amaciante de roupas que a sua mãe usava desde sempre. Enquanto estava deitado, ele refletiu sobre o quanto a sua amizade com Pietro tinha se fortalecido nas últimas semanas e, posteriormente, sobre o que Guilherme havia dito no restaurante: ele havia mudado bastante desde que namorara Guilherme e, principalmente, depois de ter conhecido Daniel. Esse último pensamento lhe trouxe as lembranças boas da relação com o rapaz, as quais, ultimamente, estavam sendo mais dolorosas do que aquelas em que Daniel havia dito coisas absurdas para ele. Estes pensamentos foram interrompidos pelo toque do celular de Enzo, que ficou surpreso quando a voz do outro lado da linha disse:

- Enzo?...Ouça, aqui é Pedro, o pai do Daniel...
- Ah... - respondeu Enzo confuso, principalmente depois de lembrar das cenas no hospital, em que Pedro evidenciava a sua desaprovação com a presença de Enzo no local - Oi, por de falar Seu Pedro...
- Bem...eu vou ser direto Enzo, eu estou ligando porque  eu estou muito preocupado com o Daniel e você foi a única pessoa que me veio à cabeça para ajudá-lo!
- Ajudar? Como assim, Seu Pedro? Aconteceu alguma coisa com o Daniel? - perguntou Enzo alarmado.
- Não, não...quero dizer, sim, mas não é nada que envolva risco de vida, pelo menos por enquanto!
- Seu Pedro, eu não estou entendendo! O Senhor está me deixando preocupado!
- Escute, eu acho melhor lhe explicar pessoalmente, podes vir aqui em casa agora?
- Seu Pedro, eu acabei de chegar de viagem agora e, se realmente não houve nada grave, eu preferiria fazer isso amanhã.
- Ah, tudo bem! Eu entendo, então eu passo na sua casa para te buscar amanhã, por volta de dez horas, pode ser?
- Err...sim, pode ser!
- Então tudo bem, amanhã eu passo na sua casa. Desculpe-me o incômodo.

Depois daquela ligação, Enzo não conseguia parar de pensar sobre o que poderia estar acontecendo com Daniel a ponto de levar Pedro a ligar para ele. Envolto por esses pensamento, Enzo adormeceu e foi acordado no dia seguinte por Guilherme, que sussurrava em seu ouvido:

- Bom dia Príncipe!
- Gui! - respondeu Enzo em um murmurio, um pouco sobressaltado - O que você está fazendo aqui?
- Bom dia para você também! - respondeu Guilherme em tom irônico.
- Desculpe! Mas é que você me assustou! Bom dia!
- Não adianta, eu não aceito mais o seu cumprimento, porque não é do fundo do coração!
- Cala a boca! - disse Enzo rindo e puxando Guilherme - Vem cá! Me dá um abraço, que eu to precisando!
- Eu não! Só se eu puder deitar aí com você!
- Tudo bem, mas eu tenho duas condições - disse Enzo - Primeira, tira esses sapatos e, segunda, você vai ter que se comportar!
- Diga-me uma vez na minha vida quando eu não me comportei! - disse Guilherme tirando os sapatos.
- Eu quero que você cite uma vez quando você se comportou, essa é a verdadeira questão! - replicou Enzo.
- Você está certo! - respondeu Guilherme rindo e sentando na beira da cama de Enzo. Depois, puxando a cabeça do rapaz para apoiar em seu colo, continuou: - Agora me diga, o que está deixando esse coraçãozinho aflito?
- Nossa, eu nem sei por onde começar...
- Comece pelo começo, eu tenho o dia todo!
- Você é um bom amigo Gui! - disse Enzo olhando para Guilherme, que enrubesceu.
- Bem, eu espero que seja melhor do que como namorado!
- Você não foi um namorado ruim!
- Mas também não fui tão bom...por isso preferi ir mesmo embora, você precisava de alguém melhor.
- Nossa, eu nunca vi você falando tão sério em toda a minha vida!
- Por isso que eu não falo! - disse Guilherme rindo.
- Estou brincando! Olha, você teve suas falhas claro ou, do contrário, provavelmente estaríamos juntos, mas você foi ótimo como namorado e eu não tenho absolutamente qualquer mágoa de você! Além disso, eu não encontrei alguém tão melhor.
- Não seja bobo, eu nunca vi os seus olhos brilharem tanto quanto no dia em que você me disse que estava namorando com ele! Eu posso até não ter muita experiência com isso, mas definitivamente sei quando alguém está amando!
- Enfim - respondeu Enzo - Vamos mudar de assunto, antes que eu comece a chorar, o que eu te garanto que não me deixa nenhum pouco sexy!
- Você é sexy em todos os momentos da sua vida! - respondeu Guilherme rindo - Por isso que eu me apaixonei por você!
- Nossa Gui! - disse Enzo também rindo - Você é um raio de luz para o meu baixo-astral!
- Que bom! Quem sabe eu possa voltar a ser o raio de luz da sua vida também! - disse Guilherme olhando bem no fundo dos olhos de Enzo, que desviou o olhar e se levanto do colo do rapaz.
- Desculpa Gui, mas eu não tô pronto para isso! - disse Enzo, sentando na cama, de costas para Guilherme.
- Relaxa - disse o rapaz enquanto puxava Enzo novamente para o seu colo - Eu não disse agora! Eu quero dizer qualquer dia que você esteja se sentindo inclinado a isso! Olha Enzo, de verdade, você foi o meu melhor namorado e eu tenho um carinho muito grande por você! Eu amo ser um dos seus amigos, mas também adoraria ser mais do que isso! Mas, independente de qualquer coisa, saiba que pode contar comigo para o que você quiser!
- Nossa, nem sei o que dizer...Hoje é a segunda vez que você fala algo sério comigo!
- Ah, cala a boca Enzo! Vem aqui! - disse Guilherme enquanto puxava Enzo para si e lhe dava um abraço bem apertado.

Nesse instante, a mãe de Enzo entra e, ao ver a cena, exclama:

- Err...eu peço desculpas, eu não sabia... - Maria estava corada.
- Calma mãe! - disse Enzo rindo - É só um abraço!
- Vocês dois estão...namorando de novo?
- Bem que eu queria Dona Maria, mas o seu filho não me dá uma chance! - respondeu Guilherme em tom brincalhão.
- Ah, mas este meu filho realmente é muito esnobe desde criança! - respondeu Maria no mesmo tom.
- Ei! Vocês dois combinaram de me importunar hoje! E a resposta é não mãe, não está rolando nada entre nós além de uma saudável amizade!
- Ah, que pena! Eu gosto tanto do Guilherme! - disse Maria - Mas, mudando de assunto, meu filho, eu vim te avisar que o pai do Daniel está aí embaixo.
- Meu deus, eu tinha esquecido! Eu fiquei de conversar com ele hoje!
- Conversar sobre o que meu filho?
- Sim, sobre o que? - Ratificou Guilherme.
- Ah, eu não sei, ele ficou de me dizer hoje.
- Bem, meu filho, então se apresse e desça logo para falar com ele, enquanto isso eu vou fazer sala! - disse Maria caminhando até a porta do quarto.
- Tudo bem, muito obrigado mãe! - disse Enzo quando a mãe já estava no vão da porta, então virou para Guilherme e disse: - Você acredita nisso? O pai dele é a última pessoa que eu esperava querer falar comigo.
- O que será que ele quer? - respondeu Guilherme curioso.
- Não sei, mas eu estou um pouco apreensivo! De qualquer modo, eu vou ter que ir, já que eu me comprometi! Você me perdoa por ter que sair?
- Claro! Nada que um beijo seu não resolva!
- Gui! Você é simplesmente inacreditável! A sua chegada é uma das melhores coisas que poderia ter acontecido comigo nesse momento! - Enzo beijou a bochecha de Guilherme.
- Nossa, fiquei todo arrepiado com esse beijo - disse Guilherme apontando para o braço - Imagina se fosse na boca!
- Não vai rolar - disse Enzo rindo - Agora eu vou tomar banho, tudo bem?
- Quer companhia?
- NÃO! - gritou Enzo e depois, rindo, continuou: - Se quiser pode esperar aqui no quarto.
- Fazer o que né? Um dia você deixa!
- Vá sonhando! Aqui está fechado para balanço!

Enzo tomou banho, se arrumou - com Guilherme fazendo repetidas investidas -, e depois desceu para falar com Pedro. Quando chegou à sala, disse:

- Oi Seu Pedro, eu peço desculpas pelo atraso!
- Não se preocupe, eu não estou com pressa! Mas, agora podemos ir?
- Sim - Enzo respondeu e se dirigiu a Maria: -  Mãe, o Guilherme vai ficar por aqui até eu voltar, tudo bem?
- Claro meu filho! Você vem para o almoço?
- Provavelmente!

Depois que saíram da casa de Enzo, não houve muita conversa entre Pedro e o rapaz no caminho para a casa de Daniel, que, segundo o pai, não estava em casa aquela hora. Quando chegaram, Pedro pediu para Enzo sentar no sofá da sala e, prontamente, iniciou a conversa:

- Bem Enzo, eu vou ser direto! Eu sei tudo sobre o seu envolvimento com o Daniel, só para deixar isso claro, e justamente por isso que eu acho que você poderia ser a pessoa ideal para ajudar o meu filho! Veja bem, ele tem estado muito depressivo nestes últimos dias e, na verdade ele já melhorou um pouco depois de uma conversa que tivemos, mas ele ainda está mal e eu tenho certeza que é por causa do fim do namoro de vocês!Então eu queria te pedir para conversar com ele, podes fazer isso?
- Nossa Seu Pedro... - disse Enzo um pouco atordoado - É muito informação. Primeiro, como foi que o senhor soube? Ele lhe contou isso? Segundo, o que o senhor quer que eu converse com ele?
- Não, ele não me disse nada. Eu descobri de outro jeito, mas é uma história muito longa, que não vem ao caso agora. Quanto à conversa, eu não sei, talvez apenas a sua presença já lhe dê alguma motivação para sair dessa maré de tristeza em que ele está!
- Eu não sei Seu Pedro...Eu não sei o quanto ele lhe contou, mas o nosso relacionamento não terminou da melhor forma e eu queria me afastar dele, sinceramente.
- Mas repense isso, por favor! Eu estou lhe pedindo como um pai desesperado, pois eu tenho medo do que o Daniel possa fazer consigo mesmo se continuar nesse quadro depressivo!
- Mas o senhor não tem ideia das coisas que ele me disse ou o que ele me fez passar! Não é algo que se esqueça tão fácil! - disse Enzo indignado.
- Eu não sei mesmo - respondeu Pedro - Mas eu sei de algo que você não sabe e que explica tudo isso: O Daniel estava com uma espécie de culpa que o fez fazer tudo isso! Veja bem, a mãe dele e eu somos religiosos e, de um ponto de vista estrito, o homossexualismo é um pecado e é condenável, portanto o Daniel achou que a mãe dele jamais aprovaria esse relacionamento e que ele a estava decepcionando! A morte da mãe dele foi um choque muito grande para ele! E, para tentar contornar essa dor, ele se apegou a esse pensamento de que namorar a aquela moça, que eu não lembro o nome, seria mais aceitável para a mãe dele do que você!
- Nossa! - disse Enzo confuso - Eu não sabia disso...mas...mas por que ele não me falou nada?
- Bem, eu não sei...ele achou que fosse melhor terminar com você eu acho...
- Mas se ele acha isso e se está com a cabeça tão confusa sobre a sexualidade, como eu poderia ajudá-lo?
- O Daniel terminou com aquela moça há algum tempo e eu já expliquei a ele que, antes de morrer, a minha esposa me disse que também conhecia o segredo de vocês e nunca foi contra isso!
- Um momento, o Daniel terminou com  Frida? - disse Enzo sobressaltado.
- Sim...ainda não me sinto confortável com isso, mas o meu filho de fato te ama e não conseguiu, nem com todo o esforço, permanecer com ela!
- Eu também não sabia disso! Bem, mas isso ainda não muda o que ele fez...embora eu meio que entenda os seus motivos!
- Nada vai mudar o que ele fez, mas...por favor, passe uma borracha nisso e tente perdoá-lo!
- Mas, por que o senhor contou essa história só agora para ele?
- Eu também peço que me perdoe, mas eu estava de luto pela morte da minha esposa e não consegui dar o suporte que Daniel precisava, então simplesmente nunca entrei nesse assunto com ele até agora. Eu não me envergonho de dizer que tentei guardar esse segredo e pensar que Daniel simplesmente voltaria a ser hétero, porque a ideia de ter um filho gay me deixava desconfortável, mas, com o tempo, refletindo sobre o que a minha mulher me disse no hospital e vendo o Daniel definhar a cada dia por algo que eu poderia ter evitado, me fez perceber que eu me importo mais se o meu filho está vivo ou não ao invés de se ele gosta de homens ou mulheres.
- Isso é muito bom Seu Pedro! O Daniel precisa, mais do que nunca do seu apoio!
- Mas então, você vai conversar com ele?
- Eu posso tentar Seu Pedro...eu também acabei de perceber que me importo mais com o bem do seu filho nesse momento do que com o que ele me disse ou fez no passado!
- Que bom Enzo! Eu sabia que você era uma ótima pessoa! Me desculpe por todo o problema que eu causei e pelo modo como eu te tratei! Você se revelou uma pessoa bem superior a mim, porque nem titubeou em aceitar o meu convite para conversar, mesmo depois de eu ter te tratado tão mal no hospital.
- Que isso Seu Pedro, isso não tem a menor importância! Eu sei que o senhor estava apreensivo com o estado da sua esposa!
- De qualquer modo, muito obrigado! - disse Pedro, levantando-se e dando um abraço em Enzo.
- Bem, agora eu acho que preciso voltar para casa. Minha mãe e meu amigo estão me esperando para o almoço!
- Ah, claro! Eu vou te levar até a porta!

Enzo acompanhou Pedro em direção à porta, que, repentinamente, se abriu antes deles a alcançarem. Para surpresa do rapaz, Daniel tinha acabado de chegar em casa, o qual, ao vê-lo, disse:

- Enzo...O que você está fazendo aqui?

Encontrar Daniel novamente, depois do que pareceu uma eternidade sem vê-lo, fez a barriga de Enzo se contrair de nervosismo e o seu coração bater mais forte. Porém, ele manteve uma postura séria e disse:

- Oi Daniel...Bem, na verdade eu já estava indo embora...
- Espera - disse Daniel, incerto sobre como se portar - Fica um instante...eu preciso te contar uma coisa...
- Daniel...eu não sei...talvez não seja uma boa ideia!
- Eu só preciso de dez minutos! Depois disso eu juro que não vou te impedir de ir embora, se você quiser...na verdade, você pode ir embora agora, é claro, mas me promete pelo menos que você vai me dar uma chance de te contar isso outro dia!
- Nesse caso, eu prefiro que seja outro dia... - respondeu Enzo.
- Tudo bem...mas é sério né? Você vai me ligar para a gente marcar?
- Não Daniel! Eu sou um homem de palavra, eu te espero amanhã lá em casa! Não preciso te ligar, apenas apareça lá umas duas da tarde!
- Sério?! Que bom! - disse Daniel animado.
- Sim, eu te espero amanhã então!

Enzo saiu imediatamente da casa de Daniel, sentindo uma grande ansiedade em pensar que eles se encontrariam no outro dia e que ele teria, provavelmente, que ouvir aquilo que Pedro lhe contara naquele dia. Enquanto isso, Daniel, imediatamente depois de fechar a porta da sua casa quando Enzo saiu, se dirigiu ao pai:

- Pai, o que o Enzo estava fazendo aqui?
- Ah meu filho...eu o convidei aqui para conversarmos e me desculpar sobre como o havia tratado no hospital!
- Mas foi tudo bem?
- Sim, esse realmente é um bom rapaz...será que é tarde demais para vocês ficarem juntos? - disse Pedro.
- Eu não sei...talvez sim! Ele foi meu grande amor, mas não sei se isso é suficiente para eu querer que ele me perdoe... - respondeu Daniel em tom triste.
- Mas o que você quer conversar amanhã com ele, meu filho?
- Nem eu sei pai...eu queria poder abraça-lo, pegar em meu colo e depois beijá-lo como eu nunca fiz...errr...desculpa, isso te deixa desconfortável pai?
- Err...não meu filho...bem, um pouco, mas não se preocupe! Eu prefiro te ver assim, empolgado com algo!
- Tudo bem então, mas como eu estava dizendo - continuou Daniel - Eu não acho que possa fazer isso...não posso exigir isso dele...então, eu simplesmente vou pedir desculpas novamente pelo que eu fiz a ele, pelo modo como eu me portei e por ter estragado a nossa amizade! Eu vou contar o verdadeiro motivo...espero que isso seja suficiente!
- Boa sorte meu filho...mas eu acredito que o Enzo é um rapaz sensato! Ele vai lhe entender.

Assim que Enzo chegou em casa, correu para o quarto, a fim de contar tudo o que acontecera a Guilherme, o qual estava deitado em sua cama ouvindo música. Quando o rapaz viu Enzo entrar no quarto, retirou os fones de ouvido e disse:

- E ai?
- Tenho muita coisa para te contar - disse Enzo resumindo.

Enzo sentou ao lado de Guilherme na cama e lhe contou tudo o que Pedro havia lhe dito sobre a situação de Daniel e sobre o pedido que ele lhe fizera, ao que Guilherme reagiu dizendo:

- Mas você vai conversar com ele certo?
- Sim, amanhã! Aqui em casa! - respondeu Enzo - Você acha que eu deveria ter marcado outro local?
- Não...vocês vão ficar mais à vontade aqui! - enfatizou Guilherme - Não se preocupe, vai dar tudo certo!
- Eu espero que sim...mas...o que é esse certo? Nossa, eu tô tão confuso! Eu não sei mais como me sentir em relação a isso! Eu estava com raiva do Daniel, mas agora eu entendo os motivos dele e os meus sentimentos em relação a ele estão uma bagunça agora! Não quero ser precipitado e nem me machucar novamente!
- Calma Enzo! Uma coisa de cada vez! Amanhã você só precisa saber o que ele tem a dizer! Não precisa tomar qualquer outra decisão!
- Você tá certo! Mas mesmo assim eu fico nervoso!
- Pois não fique! - Guilherme puxou Enzo para o seu colo e disse: - Eu estarei aqui para te apoiar sempre!
- Obrigado Gui, mas eu acho que não vais poder fazer isso de São Paulo, certo?
- Bem, mesmo se fosse de lá eu me esforçaria...mas eu tenho uma novidade - disse Guilherme empolgado - Eu tentei transferência para a UETUP (Universidade Estadual de Tupã) e há uns quinze minutos atrás eu verifiquei o resultado...EU PASSEI!
- Gui!!! - disse Enzo pulando do colo de Guilherme - Nossa, que bom! Então você vai voltar a morar aqui?
- Sim! Infelizmente, você vai ter que me aguentar todos os dias pelo resto da sua vida! Para onde você for eu vou!
- Tudo bem, eu vou tentar conviver com isso! - disse Enzo rindo - Nossa, fiquei muito feliz Gui! Eu vou adorar ter essa sua irreverência no meu cotidiano!
- Sabe Enzo...eu senti muito a sua falta quando fui embora - disse Guilherme em tom sério, segurando a mão de Enzo - E fico muito feliz de poder te ter de novo na minha vida!
- Eu também Gui! - disse Enzo e, nesse momento, pairou um silêncio entre os dois, o qual foi quebrado por Guilherme, que beijou Enzo, porém este disse: - Não Gui...desculpa, mas eu acho que não posso mesmo fazer isso! Não me entenda mal, você está ainda mais atraente do que na época em que a gente namorou, mas eu não posso fazer isso e, sinceramente, não quero te dar falsas esperanças!
- Eu entendo Enzo - respondeu Guilherme em tom de voz baixo - Desculpa, eu não queria te deixar desconfortável...eu só...não sei o que me deu mesmo! Talvez eu deva ir embora...desculpa mesmo! - o rapaz se levantou da cama.
- Pára com isso! - disse Enzo segurando o braço do rapaz e o puxando de volta para a cama - Você não tem do que se envergonhar! É o meu sex appeal, eu sei! - os dois riram bastante do que Enzo dissera e Guilherme permaneceu na cama, deitado no colo de Enzo, que, depois de parar de rir continuou: - Mas agora é a sua vez Gui, você não me contou nada desde que chegou aqui! Só quer ficar ouvindo as coisas da minha vida!
- Ah, mas o que você quer saber sobre a minha desinteressante vida?! - respondeu Guilherme.
- Gui, não há uma parte sequer da sua vida que seja desinteressante! Agora desembucha, eu quero saber como foram esses dois anos em São Paulo sem a minha companhia!
- Ah, São Paulo é uma cidade muito boa e muito viva! Nossa, eu adorava ir para as baladas lá e você sabe como eu adoro dançar né?! Mas lá também pode ser um pouco solitário sabe?! Eu me sentia um pouco só às vezes, longe da minha família, dos meu amigos...de você, do seu sex appeal! - finalizou Guilherme rindo.
- Mas você não se envolveu com ninguém desde então? - perguntou Enzo.
- Nada sério! Eu fiquei com alguns caras, mas nunca mais namorei! Nao sei, acho que estava esperando alguém tão especial quanto você!
- Desista! Não vai ocorrer! - respondeu Enzo rindo.
- Eu sei!

Os dois foram interrompidos quando Maria foi averiguar o porquê dos dois ainda não terem descido para almoçar. Guilherme aproveitou a deliciosa comida preparada por Maria e ainda ficou com Enzo pelo resto da tarde, até que por volta de sete da noite ele se despediu e foi embora. Depois disso, Enzo surfou pelos canais da televisão, até que, por volta das oito e meia da noite ele recebeu uma ligação de Pietro:

- Oi Enzo...esqueceu de mim hoje?
- Oi Pietro! - disse Enzo animado - Não esqueci de você, apenas tive um dia um pouco cheio!
- Cheio? Por que? O que você fez hoje?
- Ah, o Guilherme passou aqui e nós conversamos bastante, além disso eu tive uma conversa com o pai do Daniel...
- Como assim? Para que?
- Ah, longa história!
- Quero ouvir tudo! Passo aí em 20 minutos! - disse Pietro decidido - Vamos sair para comer alguma coisa!
- Tudo bem! Vamos sim!

Pietro buscou Enzo em casa de carro e os dois rumaram para um restaurante no centro de São Patrício, no qual Enzo novamente contou o que havia acontecido na casa de Daniel. Pietro, prontamente, disse:

- Vocês vão reatar então!
- É claro que não! - disse Enzo surpreso - Não é assim tão simples Pietro! Isso só muda o fato de que eu posso perdoá-lo por ter sido tão rude comigo, afinal eu posso de certa forma entender os motivos dele!
- Entendi...Mas você ainda gosta dele né?
- Ah, não sei Pietro...é difícil esquecer um grande amor desse jeito, mas talvez eu não me sinta mais da mesma forma! Mas, por que a pergunta?
- Bem...vou ser sincero Enzo! Você é um cara muito lindo, eu adoro o seu jeito e adoro passar o meu tempo com você! A sua amizade tem me feito muito bem e eu me sinto confortável com a minha orientação sexual ao seu lado...mas, há alguns dias, eu venho me perguntando e imaginando se o que eu sinto não é algo diferente de apenas amizade e...eu acho que...tô apaixonado por você!
- Pietro...nossa, eu nunca imaginei que você pudesse sentir isso por mim...nossa, não sei nem o que dizer...tipo, você tem sido essencial para mim todo esse tempo e eu me sinto extremamente à vontade do seu lado! Mas sempre te enxerguei como um amigo...e não estou preparado para assumir nada com ninguém agora...eu sinto muito, mas não acho que possa corresponder aos seus sentimentos!
- Não se desculpe Enzo - disse Pietro em tom sereno - Eu imaginei que dirias isso mesmo...mas eu precisava ser sincero contigo! Caso você não sinta o mesmo pelo Daniel e se um dia você achar que está preparado para um relacionamento, eu quero que você saiba que eu posso ser uma opção!
- Pietro...eu adoraria poder gostar de você assim! Mesmo! Você é uma pessoa tão incrível e amável, que seria uma honra poder ser seu namorado, mas por enquanto eu não posso mesmo!
- Tudo bem, relaxa! Eu só não quero que algo mude entre nós por causa disso!
- Nada vai mudar!
- Que bom! Agora eu tenho outra coisa para te contar...
- Pois conte! Quero saber de tudo!
- Eu e o Guilherme ficamos ontem!
- O quê! Como você não me contou isso logo?! Mas e aí, conta mais!
- Ah, ele é muito atraente e dança muito mesmo, como você disse, então acabou rolando! Mas nós dois gostamos de outra pessoa e decidimos que ficaríamos só na amizade mesmo! Mas ele é quente, isso não pode ser negado!
- Muito! Ele me conquistou assim que eu o conheci e nós começamos a namorar logo em seguida! Eu me sentia muito sortudo porque um cara tão gato abriu mão de curtir a vida do ensino médio para ficar com alguém tão simplório como eu! Ele poderia ter quem ele quisesse fácil!
- Eu imagino! Mas ele sabia o que estava fazendo, porque você não é simplório! Aposto que ele viu esse algo especial que você tem, que conquista qualquer pessoa! Sr. Carisma!

Pietro deixou Enzo em casa por volta as onze da noite. Quando chegou, o rapaz prontamente foi para o quarto e deitou para refletir, como ele sempre fazia. Em sua mente, vieram três figuras: Daniel, o seu ex-namorado que até pouco tempo parecia um canalha sem coração, mas que agora se mostrara alguém com problemas emocionais que estava extremamente arrependido de como se portara e, por mais que Enzo detestasse admitir, ainda exercia grande atração sobre ele; Guilherme, o seu outro ex-namorado, que havia feito parte de uma fase muito boa da sua vida e que agora retornara para ficar na cidade e que se mostrara uma pessoa bem mais sensível e madura do que antes; e por fim Pietro, um grande amigo que se tornou o seu porto seguro e que agora expressara o desejo de ser bem mais do que isso na vida de Enzo. Diante disso, a seguinte pergunta pairava na cabeça do rapaz: Devo seguir em frente ou voltar para aquele que tinha sido o seu grande amor? E se for seguir em frente, deveria escolher um grande e verdadeiro amigo ou o amigo que já foi um grande amor?

No dia seguinte, um domingo, Enzo acordou nove da manhã e, quando desceu para tomar café-da-manhã, encontrou um bilhete na porta da geladeira:

Enzo,
Fomos visitar a sua tia Edwirges e voltaremos somente à noite.
O almoço está pronto. Você precisa apenas esquentar.
Beijos. Mãe.

Enzo se serviu de uma fatia de bolo de chocolate e de um copo de suco de laranja, então subiu para o quarto e passou a manhã surfando na internet e trocando mensagens, concomitantemente, com Guilherme e Pietro pelo celular. Ambos os amigos o perguntavam a todo momento como ele se sentia em relação à iminente visita de Daniel, porém, apesar de ter refletido muito antes de dormir e ter tomado uma decisão, Enzo foi evasivo em suas respostas, pois ele acreditava que aquilo que ele decidira deveria apenas ser dito no momento em que Daniel chegasse.Quando o relógio marcava cinco minutos para as duas da tarde, Enzo sentou no sofá da sala e, agradecido por seus pais terem escolhido aquele dia para visitarem uma tia distante, esperou por Daniel, o qual chegou quase pontualmente no horário marcado.Ao abrir a porta, Enzo surpreendeu Daniel ao puxar o ex-namorado para dentro da casa e o abraçar forte, dizendo:

- Quando algo estiver te incomodando, converse comigo! Quando você tiver dúvidas, converse comigo! Quando você tiver problemas, converse comigo! - Enzo estava evitando olhar nos olhos de Daniel, e continuou, enquanto lágrimas percorriam a sua face - Daniel...eu te amo! Mas eu não vou conseguir passar por nada disso de novo! - nesse momento, Enzo olhou para o rosto de Daniel, que estava com uma expressão de espanto.
- Espera, então...então você quer tentar de novo? - o espanto virou excitação e Daniel cruzou os braços ao redor de Enzo, levantou-o no ar e disse: - É isso Enzo? Você me perdoa? Você ainda me ama?
- Sim! - respondeu Enzo sorrindo e lutando contra as lágrimas - Eu não vou negar que tentei te esquecer, mas o que eu posso fazer se é você que eu amo? Eu não consegui te esquecer nem sequer por um momento! Eu quero seguir em frente, mas tem quer ser com você! Eu quero seguir junto com você para sempre!
- Enzo... - Daniel pôs o rapaz no chão novamente e ajuntou um buquê de flores que estava perto da porta, o qual Enzo não tinha notado devido ao seu ímpeto quando Daniel chegara - Eu tinha vindo aqui para lhe trazer isto e dizer que eu não iria mais interferir na sua vida, mas...mas...nossa, eu nem sei descrever o quanto isso me faz mais feliz! Eu sei que isso é egoísmo da minha parte, porque eu deveria te deixar ser feliz com alguém menos problemático, mas eu não quero! Eu não quero Enzo! Eu te amo tanto! - Daniel puxou Enzo novamente para si e o beijou apaixonadamente.

Enzo simplesmente se entregou ao ritmo de Daniel e os dois caminharam, sem se afastar nenhum segundo, até o sofá da sala. Enzo se deitou no sofá seguido por Daniel, que debruçou-se sobre o amado e disse:

- Enzo, muito obrigado! Não posso te prometer que essa é última vez, porque você sabe que eu simplesmente tendo a me esconder quando as coisas ficam tensas...isso me deixa triste, acredite! Mas...eu posso prometer que vou tentar pensar em você para me ajudar nisso, porque foi a ideia de ter perdido você por causa disso que me deixou em um estado tão triste...eu sei que o meu pai te contou sobre isso...mas também foi a ideia de que você poderia pelo menos me perdoar que me trouxe novamente a vontade de viver!
-Sim, ele me disse que deveria ir ver você, porque estava preocupado com o seu bem-estar!
- Bem, ele deveria realmente se preocupar...tem uma coisa que eu não contei a ele...o que eu fui fazer no dia em que você apareceu na minha casa... - disse Daniel, sentando-se no sofá, ao lado de Enzo.
- Do que você está falando Daniel?! - disse Enzo apreensivo.
- Eu fui até um local onde o meu pai me levou, onde existe uma cascata...eu pretendia somente me deixar envolver pelas águas e esquecer todas as besteiras que eu fiz...esquecer que eu decepcionei você...
- Você o que?! Por que?!
- Eu sou fraco Enzo! Eu não sei lidar com as pressões da vida como você! - disse Daniel, evitando olhar para Enzo - Olha só você aí - ele virou para o rapaz e continuou: - inteiro e imponente, depois de eu ter te tratado como lixo, quando você somente deve ser tratado como um príncipe, depois da minha ex-namorada ter te exposto na frente de toda a universidade, apesar de toda a sua reserva com esse tipo de situação, depois de ter perdido a sua então melhor amiga! Olha quanta coisa você já passou, por minha causa, e você está perfeito! - Daniel segurou a mão de Enzo e continuou - Eu sou apenas uma sombra da pessoa que você é Enzo! Eu realmente não entendo o porquê de ainda me quereres na tua vida, mas eu aprecio muito isso e realmente quero te fazer feliz! Por isso a possibilidade de ter te ferido de algum modo era excruciante e...bem, eu não queria mais fazer isso contigo...naquele dia eu senti tanto a sua falta que pensei em ir até a sua casa, porém, ao invés disso, eu dirigi até o local onde o meu pai havia me levado e depois tentei me afogar...mas...eu não consegui...eu sou covarde demais - finalizou Daniel com um meio sorriso e lágrimas nos olhos.
- Daniel... - disse Enzo, tocando a face esquerda de Daniel - Nunca mais...em toda a sua vida, ouse pensar que você é pior do que qualquer pessoa! Muito menos tente tirar a sua vida por causa disso! Não importa o quanto essa pessoa seja importante para você! Você ia deixar o seu pai sozinho...ele acabou de perder a sua mãe!
- Eu sei, eu também pensei nisso...eu não sei o que dizer...isso é vergonhoso, mas...
- Venha aqui - disse Enzo puxando Daniel para si e o deitando em seu colo - Você é uma pessoa maravilhosa Daniel! Eu já te disse isso milhões de vezes, porque você não acredita nisso?! - Enzo acariciou os cabelos de Daniel - Você é brilhante! É sério, você poderia ser o que quisesse da sua vida a fazer o que quisesse! Não jogue isso fora! - Enzo beijou a bochecha direita de Daniel e disse: - Você até poderia ter quem quisesse tão rápido quanto o piscar dos olhos, porque você é lindo, sensual, charmoso, interessante, inteligente e, acima de tudo, uma pessoa boa e carismática! As pessoas fariam fila para ficar com você!
- Mas é você que eu quero e sempre vou querer! - Daniel levantou-se do colo de Enzo e beijou os lábios do rapaz - Meu melhor amigo! - Daniel se debruçou sobre Enzo no sofá e continuou o beijando - Meu amor.
- Eu estava com saudade dos seus beijos - Enzo respondeu e continuou beijando Daniel, que tirou a camisa - Da sua pele - Enzo também tirou a camisa - Do seu cheiro...da sua voz...
- Enzo... - disse Daniel nos ouvidos do rapaz - Eu tenho certeza de que eu te amo - Daniel levou a mão direita ao botão da calça de Enzo - e quero muito fazer amor com você! Eu não estou bêbado, eu não estou louco, eu não estou carente! Apenas te amo e quero avançar essa etapa junto com você!
- Amor, você tem certeza? - disse Daniel olhando fundo nos olhos de Enzo.- Sim! Absolutamente! Você é a minha pessoa especial lembra?! Eu nunca tive dúvidas disso, mas queria que a minha primeira vez e a "nossa" primeira vez fosse especial...eu queria saber como seria isso e estava nervoso por não ter a mínima ideia, mas, depois de quase te perder, eu não ligo mais para isso. O fato de ser com você já torna tudo especial!
- Então vem aqui comigo! - Enzo segurou as mãos de Daniel e as envolveu ao seu redor, então o conduziu até o seu quarto, no andar de cima.

Enzo conduziu Daniel até o quarto e os dois, calmamente, descobriram a melhor maneira de tornar cada vez melhor a primeira relação sexual de Daniel. Enzo, por ter mais experiência, manejou a situação de modo que Daniel pudesse tirar o mais proveito possível da experiência. De fato, com toda a devida proteção, a experiência foi bastante marcante para ambos. Depois de algumas horas, eles se deitaram lado-a-lado na cama de Enzo e conversaram:

- Amor! - disse Daniel ofegante - eu estou extremamente extasiado! Isso foi...foi incrível!
- Amor - Enzo tocou a face de Daniel e encostou a sua testa na dele - Essa, sem dúvida, foi uma das melhores experiências que eu já tive! Você é incrível! Nossa, você acabou comigo!
- Err... - Daniel corou e deu um meio sorriso - Obrigado! Mas eu não acho que tenha sido tudo isso! Eu nem sabia onde colocar as minhas mãos direito! - Ambos riram.
- No começo todos ficamos nervosos e desajustados, mas você conseguiu se situar bem rapidinho! Você era realmente virgem? - disse Enzo rindo.
- Sim! Eu sabia que era com você que isso precisava acontecer desde que eu era criança!
- Eu te amo Daniel!- Eu também te amo Enzo! - Daniel segurou a mão de Enzo e, olhando em seus olhos disse: - Casa comigo?
- O que?! - Enzo se sentou na cama e encarou Daniel.
- Calma, é apenas figurativamente! - disse Daniel rindo - Eu sei que você nunca aceitaria fazer isso de verdade agora, afinal você tem apenas 20 anos e está na faculdade, assim como eu! - Daniel alisou a face de Enzo e continuou: - Você é responsável demais para isso, mas eu queria que nós fizéssemos um jantar com os nossos pais, no qual eles vão nos entregar um para o outro! Com direito a aliança e tudo! - Daniel finalizou extremamente excitado com a ideia.
- De onde você tirou essa ideia? - disse Enzo ainda quase sem reação.
- Você não gostou? - disse Daniel, sem o sorriso de até poucos segundos no rosto - Desculpa, é uma ideia besta, eu não deveria ter dito nada!
- Não! Não! Eu adorei! - Enzo pulou em cima de Daniel - É só que eu nem sabia o que dizer! Isso é algo tão genuíno! Nossa, você não para mesmo de me surpreender! - o rapaz continuou debruçado sobre Daniel, então continuou: - Eu aceito! Eu aceito me "casar" com você! Vamos fazer isso pra ontem!
- Jura?! Você aceita? Você aceitou! - Daniel abraçou Enzo fortemente e os dois recomeçaram a se beijar, porém isto foi interrompido por um barulho no andar de baixo.
- Amor! São os meus pais! - disse Enzo pulando da cama, pegando as roupas espalhadas pelo quarto e as vestindo - Fica aqui amor! Eles não sabem que reatamos e se te virem antes de eu contar tudo eles vão fazer o maior escândalo! Eu já volto - disse o rapaz ao terminar de colocar a camisa.

Enzo desceu as escadas correndo, cumprimentou os pais, pediu a eles que se sentassem no sofá, então lhes contou sobre a sua decisão de reatar o namoro com Daniel. O rapaz sempre foi muito sincero com os pais, então lhes explicou todos os pensamentos, as opiniões e as dúvidas que vinham passando pela sua mente nos dias anteriores. A partir disso, Maria e Roberto puderam compreender as razões de Enzo para tomar aquela decisão e, apesar de Roberto não ficar totalmente satisfeito com aquilo, eles concordaram em tratar normalmente Daniel. Assim, Enzo convidou Daniel, que a esta altura já estava devidamente vestido, a descer para cumprimentar os seus pais, os quais o trataram, na medida do possível, com toda naturalidade. Antes de ir embora, Daniel disse a eles:

- Seu Roberto e Dona Maria...eu sei que vocês ainda vão levar algum tempo para me aceitar novamente como namorado do Enzo...mas eu...nós gostaríamos de fazer um jantar na próxima sexta feira, no qual o meu pai vai estar possivelmente presente...bem, nesse jantar, eu gostaria de fazer um tipo de cerimônia fictícia na qual eu me unirei ao Enzo com a benção de vocês... - Daniel transpirava de nervosismo - eu...bem, eu não pareço ser, mas sempre fui muito religioso, por causa da minha mãe e meio que gostaria de fazer uma espécie de casamento...independentemente do que está escrito na bíblia sobre homossexualismo, eu acho que Deus gostaria que nós nos uníssemos como um casal! Bem, somos muito jovens para ser "de verdade", mas eu levarei isso tão a sério quanto se fosse!
- Ora, eu não sei o que dizer Daniel - respondeu Maria - Se é uma coisa simbólica, então eu acho que não tem qualquer problema, se é o que vocês querem!
- Bem - iniciou Roberto - Eu só quero dizer que se eu vou entregar o meu filho em qualquer cerimônia para você, eu espero que sejas mais responsável com os sentimentos dele do que fostes durante o namoro!
- Isso é justo Seu Roberto! - disse Daniel resoluto - E eu prometo que vou ser extremamente responsável com os sentimentos dele!
- Então é isso pessoal! - exclamou Enzo - Eu vou levar o Daniel até a porta e já volto.

Enzo realmente foi deixar o rapaz na porta, porém, infelizmente, ele não voltou tão cedo para casa, visto que, enquanto os dois se despediam, encostados na parte de trás do carro de Daniel, um outro veículo perdeu o controle enquanto passava por eles e os atingiu.Ambos foram levados para o hospital naquele dia, porém, por algum milagre, Daniel foi bem menos atingido do que Enzo, o qual precisou ir para a sala de cirurgia e depois ficou dois dias em coma induzido. O prognostico do médico era de, no mínimo, paraplegia, visto que havia um grande inchaço na região das vértebras T6 e T5 na coluna vertebral, porém outras vértebras acima dessas haviam sido atingidas, o que poderia tonar o quadro ainda pior.

Na manhã da quarta-feira, Enzo acordou na UTI e foi informado pelas enfermeiras sobre o acidente, então solicitou ver os familiares e, principalmente, o namorado, o qual foi o primeiro a chegar, visto que estava na enfermaria do hospital e fora autorizado a visitá-lo. Ao chegar perto do leito do namorado, Daniel disse:

- Amor...como você está se sentindo! - Daniel tinha uma expressão cansada e abatida.
- Amor...eu não estou sentido as minhas pernas...é o que eu estou pensando? - respondeu Enzo, com lágrimas irradiando pela sua face.


Daniel apenas mexeu a cabeça em afirmação e se aproximou ainda mais do leito, sentou-se e deitou a cabeça de Enzo em seu peito, o qual continuou chorando sem dizer qualquer outra palavra por vários minutos.





Anterior                                   Próximo


14 comentários:

  1. nosaaa perfeito aguardando ansioso o próximo por favor posta logo.

    ResponderExcluir
  2. Quando vai sair o próximo capitulo? Esperandooo ...

    ResponderExcluir
  3. Aiii queroo o próximo capitulo... Muitoo ansiosa pra saber oq vai acontecer... *_*

    ResponderExcluir
  4. Gente, kd o próximo episódio? Quase chorei quando li esse e já faz muito tempo q ñ começa o próximo!!!

    ResponderExcluir
  5. Nossa, eu comecei a ler a pouco tempo e estou adorando... Por favor, continue escrevendo, estou muito ansioso para terminar de ler.

    ResponderExcluir
  6. Sério posta o próximo capítulo!!! Você é muito talentoso e com certeza vai fazer muito sucesso. O jeito que você escreve e a sua criatividade são fantásticos!!! Parabéns.

    ResponderExcluir
  7. Olá pessoal que acompanha o blog.
    Novamente peço desculpa pela demora, mas realmente está difícil encontrar tempo para escrever.
    Além disso, seguindo a rotatividade, o próximo conto a ser atualizado é "Os elementais", então ainda vai levar um tempo para atualizar esse.
    Mas peço que continuem aguardando e companhando porque o blog não foi abandonado e estou me esforçando para atualizá-lo em breve.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sei q vc ñ tem tempo mas, é pq a ansiedade não me deixa esperar *-*

      Excluir
    2. Por Favor atualize assim q possivel pois n vejo a hr da continuaçao nunca li uma história tão linda como essa vc realmente é uma pessoa muito talentosa

      Excluir
  8. nossa vc e muito talentoso criatividade a mil espero ancioso ver o próximo capítulo ver se não demora a posta em aguardo aqui

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Gente, cadê o 7 capítulo? Estou muito ansioso. :s

    ResponderExcluir
  11. Este história é linda meus Deus acho que já chorei demais ������

    ResponderExcluir