Capítulo 4

Capítulo 4 - O Início de uma Guerra


Decorridas duas semanas desde que Enzo lera a carta na qual Frida sumariamente terminava sua amizade com o rapaz, este resolveu tomar uma atitude em relação a isso, pois, a despeito do pedido que ela fizera de que os dois nunca mais se falassem, ele sentia saudade de poder conversar com a amiga e estava muito incomodado com a indiferença que ela demonstrava todos os dias durante as aulas. Então, em uma noite de quinta-feira, depois de sair da UFTU, Enzo foi até a casa de Frida. Quando esta abriu a porta, ficou visivelmente, surpresa:

- Enzo...- depois de uma breve pausa ela continuou em um tom indiferente - o que estás fazendo aqui?
- Olha...eu sei que dissestes pra eu não falar mais contigo, mas eu realmente....
- Para... - ela o interrompeu - eu não quero ouvir explicações ou qualquer outra coisa que queiras falar! - prosseguiu cada vez mais categórica - eu não quero mais te ver e tampouco falar contigo, e mais ainda, me considere sua principal inimiga, pois pior do que ser traída pelo namorado é ser traída pelo melhor amigo! Isso não tem perdão...na verdade até exige vingança... - ela foi reticente nessa última frase e, depois de terminá-la, bateu a porta na cara de Enzo.

Depois de deixar a casa de Frida, muito triste, Enzo ainda caminhou algumas quadras até que decidiu ligar pra Daniel, que não demorou a buscá-lo de carro. Quando o rapaz viu as feições de Enzo, perguntou:

- Amor, o que aconteceu? - disse ele enquanto colocava a mão nos cabelos de Enzo, acariciando-os - por que você estava andando por aqui?
- Eu vim até a casa da Frida para tentar conversar com ela, mas... - ele titubeou, mas respirou fundo e continuou - mas ela me disse que agora sou o pior inimigo dela e então bateu a porta na minha cara! - então ele olhou pra Daniel e prosseguiu - obrigado por ter vindo me buscar amor!
- Sem problemas amor! poxa, eu nem sei o que te dizer, essa é uma situação bem complicada! na verdade eu me sinto um covarde perto de você agora, porque eu terminei com ela e quase não mantivemos contato, mas você a tem visto todos os dias quando ela nem sequer te dirige a palavra, e, mais ainda, veio até a casa dela pedir desculpas! - Daniel parou o carro, desatou o cinto de segurança, abraçou Enzo, o mais forte que pode e continuou a falar - você é uma pessoa muito especial sabia? eu te admiro cada dia mais, porque você simplesmente enfrenta a vida do seu jeito! Nunca deixe de ser assim! - ele beijou Enzo brevemente e continuou - e não se preocupe, tudo vai dar certo! você fez a sua parte em pedir desculpas à Frida e agora só podemos esperar que ela abrande o coração para poder te ouvir! - ele voltou a seu lugar, mas continuou voltado para Enzo.
- Obrigado amor! eu fiquei muito triste com isso, porque eu realmente não me sinto culpado de nada, e ela nem sequer quis me ouvir!
- E você não é culpado de nada mesmo amor! fique tranquilo! - Daniel reatou o cinto de segurança e ligou o carro novamente, então disse algo mais - vou te levar para um lugar que eu tenho certeza que vai te animar!
Daniel o levou a um lugar bastante conhecido: a "Snack". O lugar de fato melhorou o humor de Enzo, porém também o trouxe lembranças da amizade com Frida.
- E ai amor? - disse Daniel - a torta está gostosa?
- O que...Muito boa amor! - disse Enzo, depois de um breve hiato.
- O que foi amor? ainda pensando na Frida?
- Desculpa amor! mas eu não consigo deixar de rememorar a cenas de hoje! eu não queria estragar a noite...
- Deixa de ser bobo amor! você não estraga nada! a sua companhia é sempre prazerosa pra mim! Mas eu não gosto de te ver desse jeito!
- Eu sei amor! desculpa de novo! Já queres ir pra casa?
- Claro que não! eu ainda nem te levei no lugar que eu tinha dito! - Daniel estava com um sorriso no rosto.
- Como assim? - Enzo fez uma expressão de confusão - eu pensei que você falava da "Snack"!
- Não, é outro lugar!
Daniel esperou até que Enzo terminasse a torta de chocolate, então levou-o até o carro e seguiu com ele para a sua casa. Quando chegaram ao seu quarto, ele disse:
- Amor, tem uma parte do meu quarto que eu adoro estar, porque me relaxa e eu acho que também vais gostar! - ele conduziu Enzo até uma varanda que havia em seu quarto, pegou alguns lençóis que estavam sobre a cama, colocou no chão, então prosseguiu em sua fala - Deita aqui, eu quero te mostrar uma coisa!
- Tudo bem - respondeu Enzo enquanto deitava nos lençóis ainda meio incerto - mas o que você quer me mostrar?
- Espera - disse Daniel enquanto se deitava ao lado de Enzo. Então, apontando para cima ele finalmente respondeu - aquilo! - ele apontava para o céu, que estava, especialmente naquela noite, límpido e pontuado por milhares de estrelas.
Os dois ficaram vários minutos somente olhando para as estrelas e conversando, então Enzo disse:
- Amor...eu acho que já está tarde! é melhor eu ir embora, porque amanhã eu tenho aula cedo! - ele se levantou e continuou a falar - obrigado por ter ficado comigo hoje, eu realmente me sinto melhor, e eu adorei a vista da varanda do teu quarto!
- Não precisa ir embora amor! Dorme aqui hoje! Eu também tenho aula amanhã, então nós podemos ir juntos!
- Mas eu não trouxe uma roupa reserva!
- Ah amor, eu te empresto! a gente veste quase o mesmo tamanho de roupas!
- Sendo assim, tudo bem!
- Então vem pra cá de novo! - Daniel o puxou para si e, quando Enzo caiu em cima dele com o rosto bem próximo ao seu, ele o beijou! - Eu já disse que eu te amo?
- Ainda não! por isso que eu ia embora! - respondeu Enzo em tom brincalhão.
- Palhaço - disse Daniel enquanto o beijava novamente.
Nesse momento, apesar da beleza do céu estrelado, eles estavam curtindo um ao outro entre beijos e carícias, até que Enzo, em um sobressalto, indagou:

- Amor, e se teus pais chegarem?
- Relaxa amor, eles estão viajando de novo. Você já quer deitar?
- Acho que sim amor, ainda tenho que tomar um banho e escovar os dentes! - disse Enzo.
- Então vá logo fazer isso, enquanto eu vou arrumar estes lençóis e a cama.
Quando Enzo passava a noite na casa de Daniel, ele dormia em um colchão retirado da cama para ele, porém, quando voltou do banheiro, após o banho, ele não viu o tal colchão arrumado, e perguntou:
- Cadê o meu colchão amor?
- Como os meus pais estão viajando, acho que podemos dormir juntos na minha cama, afinal ela é bem espaçosa! - respondeu Daniel enquanto se dirigia para o banheiro - vou tomar um banho também, já volto!
Quando os dois finalmente se deitaram para dormir, inevitavelmente, houveram beijos e carícias, porém o clima esquentou mais nesse dia, de modo que os beijos e as carícias se tornaram mais intensos. Mas, em determinado momento, Daniel interrompeu e disse:
- Amor...eu acho que ainda não estou preparado pra...você sabe... - ele estava bastante desconfortável e nervoso com a situação.
- Calma amor, eu não estou criando expectativas nesse sentido - Enzo segurou o rosto de Daniel - É natural que as coisas "esquentem" nessas situações em que estamos tão próximos e sem ter que nos preocupar com os seus pais, mas eu, absolutamente, quero que isso ocorra quando ambos estivermos à vontade! - então ele o beijou - mas eu não abro mão de dormirmos abraçados! - assumiu um tom mais brincalhão - vem cá, vamos dormir!
- Obrigado amor - disse Daniel, quando os dois estavam abraçados e prontos para dormir.
No outro dia, como prometido, Daniel emprestou uma roupa para Enzo ir à aula. Os dois tomaram café da manhã juntos e depois rumaram para a UFTU. Como de praxe, Daniel parou o carro a algumas ruas antes de chegarem ao campus, para que pudessem se dar o beijo matinal e trocarem as últimas carícias antes de irem para a aula.
Quando chegaram ao local, Daniel se despediu e foi para a sua sala de aula, enquanto Enzo adentrou uma das salas de aula do curso de Medicina. Ao se sentar, ele notou um olhar vindo de Frida, que rapidamente o desviou, porém evidenciou uma irritação. Ao refletir sobre o assunto, Enzo percebeu que estava vestindo as roupas de Daniel, as quais Frida conhecia muito bem, porém, para piorar, ele recordou do dia em que fora com a amiga comprar uma camisa de presente para Daniel, que era exatamente a que ele estava vestindo agora.
Definitivamente, Enzo pensava estar cada vez mais longe de poder explicar a Frida a sua relação com Daniel ou mesmo de reatar a amizade antes existente entre eles. Porém, mais do que isso, o que ele não sabia era que a garota estava planejando uma iminente guerra pessoal contra Enzo.

Depois de sair da UFTU, Enzo voltou para a cada de Daniel, que já o estava esperando, visto que havia saído muito mais cedo da universidade naquele dia.

- Daniel! - Gritou Enzo enquanto esperava à porta da casa de Daniel, depois de ter apertado a campainha mais de uma vez.
- Oi amor...entre, me desculpe! - disse Daniel ao abrir a porta - eu acabei cochilando enquanto te esperava! Mas que história de me chamar de Daniel é essa?
- Claro amor, você queria que eu gritasse aqui na rua da sua casa: AMOR, JÁ CHEGUEI!?
- Realmente - respondeu Daniel rindo - mas eu prefiro que você me chame assim!
- Tudo bem! Então vamos começar tudo de novo, eu vou lá fora gritar por você novamente! - Enzo se dirigia para a porta enquanto falava.
- Deixa de ser engraçadinho, vem cá - disse Daniel enquanto envolvia Enzo em seus braços - Eu preparei uma seleção de filmes pra gente assistir e estava pensando em fazer pipoca! Topa?
- Com certeza amor! Só que eu não vou poder dormir aqui hoje, porque eu estou cheio de matéria para estudar!
- Tudo bem! Eu já me contento em ter tido a oportunidade de dormir agarradinho com você ontem - Daniel deu um beijo em Enzo ao final da frase.
- Bom, deixa-me olhar essa seleção que você fez!
- Tá bom! Enquanto isso eu vou preparar a pipoca!

Enquanto os dois apaixonados estavam fazendo esse programa caseiro, em outro lugar da cidade Frida estava arquitetando o seu plano para se vingar de Enzo, junto com Juliana, a moça que os viu se beijando há algum tempo.

- Mas no que estás pensando Frida? De que forma pretendes te vingar do Enzo? - perguntou Juliana.
- Apesar de ser assumidamente gay, o Enzo não gosta de ter a sua vida pessoal exposta -  respondeu Frida - então eu vou revelar para toda a universidade que tipo de pessoa ele é: primeiramente, um homossexual, em segundo lugar, um perigo para os relacionamentos e, em terceiro lugar, um traidor de amizades.
- E como pretendes fazer isso?
- Se eu bem conheço o Daniel, ele e o Enzo devem ter um ritual de parar o carro no mesmo local onde os vistes naquele dia, para fazer sabe-se lá o que! Então quero contar com a tua ajuda para tirar uma foto disso, sendo totalmente despercebida como da última vez!
- Bem, eu posso tentar, pois eu estou do teu lado nessa história, afinal o cara é um traidor e te deu uma apunhalada da pior forma! Mas tens certeza de que eles estarão no mesmo lugar?
- Com certeza! O Daniel é maníaco por rituais! - disse Frida com muita convicção -  Ele sempre sentava de um lado do sofá quando estávamos em casa, sempre me deixava no mesmo local quando íamos pra UFTU, sempre sentava no mesmo lugar na "Snack", e assim por diante!
- Bom, nesse caso eu posso fazer isso sem problemas, afinal é no meu caminho habitual de casa pra UFTU.
- Muito obrigada Jú! Eu não vou esquecer esse favor!

Na manhã seguinte, Daniel foi buscar Enzo em casa para irem juntos para a UFTU. Quando chegou no local foi convidado pelos pais do rapaz a tomar café com eles.

- O que achou do bolo Daniel? - Perguntou Maria.
- Está delicioso! Como sempre dona Maria!
- Eu adoro comer bolo de manhã, principalmente o da minha mãe! - disse Enzo, que já estava no segundo pedaço de bolo - Eu vou até mais feliz pra universidade! - ele riu.
- Ah amor, mas você é um papa-bolo mesmo né?! - disse Daniel.
- O Enzo não sossega enquanto a mãe dele não faz um bolo para ele comer antes de ir pra universidade - disse Roberto - é, praticamente, sagrado que tenha isso pra café-da-manhã, se não ele reclama!
- Eu imagino! - respondeu Daniel - quando, a gente sai para comer alguma coisa ele sempre pede a mesma coisa! Bolo de chocolate.
- Eu quero saber se você veio me buscar para ir à para a UFTU ou para me difamar na frente dos meus pais - replicou Enzo rindo - e vocês dois não deem muito papo pra ele, se não já viu!
- Bem, o café-da-manhã está muito bom tios, mas acho que a gente já tem que ir né amor? - disse Daniel, levantando-se da cadeira.
- É verdade amor! Pai, mãe, volto de tarde tá? - disse Enzo enquanto caminhava em direção à saída - beijos!

No caminho para a UFTU, como Frida previra, Daniel parou o carro a alguns metros da universidade, para que ele e Enzo, como de costume, pudessem se despedir de uma maneira mais íntima sem que ninguém visse. Porém, novamente, os dois estavam alheios à presença de Juliana, que os observava e, dessa vez, registrava o seu momento intimo através de uma câmera.
No final da tarde, enquanto Daniel estava na casa de Enzo, visto que fora convidado novamente pelos pais do rapaz a se juntar a eles, Juliana acabara de entregar a Frida as fotos tiradas naquela manhã.

- Muito bem Jú! Agora aqueles dois vão ver o quanto eles me magoaram!
- O que você vai fazer com a fotos? - perguntou Juliana - eu ainda não entendi!
- Amanhã você e toda a universidade vão saber, não se preocupe!

No outro dia, cartazes com fotos do beijo estavam afixados por toda a extensão da universidade, acompanhadas do seguinte título:

Ladrão de Namorados!

Quando chegaram à universidade, os dois não acreditavam no que viam, principalmente Daniel, que estava tão perplexo a ponto de ficar estático na posição em que se encontrava quando avistou o primeiro cartaz.

- Amor...me diz...que isso não está acontecendo! - disse Daniel quase inaudível.
- Amor...eu...eu não...- Enzo mal conseguia pronunciar as palavras - eu não sei como isso...

Antes que Enzo pudesse concluir a frase, Frida se aproximou deles e disse:

- Gostaram?
- Frida...Você...Você fez isso? - disse Daniel ainda incrédulo.
- Claro! Eu particularmente acho que estás um gato nessas fotos! - ela replicou.
- Por que? para que? - Enzo estava praticamente gritando.
- Eu te disse Enzo, você arranjou uma inimiga! Isso é só o começo! - ela disse isso enquanto ia embora, então parou e acrescentou - pode esperar mais!
- Amor, eu não posso ficar aqui - disse Daniel se dirigindo à saída da universidade - você vem comigo?
- Claro amor! me espera!

Enquanto se dirigiam à saída, eles perceberam algumas pessoas olhando diferente e fixamente para eles, fazendo comentários em tom de voz baixo, cochichando umas nos ouvidos das outras. Quando chegaram à saída, Daniel prontamente correu até o carro, enquanto Enzo parou um instante no portão, olhando para trás e refletindo sobre o fato de realmente ter perdido uma amiga. Pior do que isso, foi ter arranjado uma inimiga que sabia de todos os seus segredos, assim como todas as suas fraquezas. A guerra tinha realmente começado, mas quando virou e rumou para o carro de Daniel, Enzo estava determinado a não ser um inimigo tão fácil de se abater.
Depois de deixarem a universidade, Daniel estava bastante nervoso, tanto que começou a acelerar cada vez mais, até o ponto em que Enzo pediu a ele que parasse o carro, para que pudessem conversar sobre o que havia ocorrido.

- Amor...você precisa se acalmar...a Frida...
- Amor...eu... - Daniel não conseguiu conter as lágrimas, então desabou no colo de Enzo. Depois de se sentir novamente preparado ele continuou - eu não posso passar por algo assim de novo...
- Passar pelo quê...eu não...
- Eu vou te contar tudo amor - disse Daniel o interrompendo.

Daniel relatou o fato ocorrido com o amigo Lucas quando tinha sete anos de idade e as reações por parte tanto de sua babá como de seus pais.

- Amor...que horrível! Por que nunca me constastes isso? Não é uma coisa muito saudável de se guardar para si! - disse Enzo preocupado.
- Eu não gosto de falar do assunto amor! A rejeição que eu recebi por esse fato tão insignificante foram tão severas que até pensar nisso ainda é doloroso! - Daniel parou um momento e depois continuou - Os olhares que eu recebi hoje na UFTU foram iguais aos que eu recebi dos meus pais...Enzo, e se eles, de alguma forma chegarem a ter conhecimento disso...e se...
- Calma amor! - disse Enzo enquanto o abraçava - você se lembra do que me disse quando me pediu que ficássemos junto? que não ia temer a opinião das pessoas se eu estivesse com você?! Pois eu estou aqui e não vou te deixar sozinho nisso! Tudo vai dar certo!
- Mas eu não sabia que seria exposto dessa maneira!
- Realmente amor, eu também não imaginava que as coisas iam ser dessa forma, mas tudo bem! sabe por que? - Enzo beijou o topo da cabeça de Daniel - Porque eu te amo e não vou deixar que nada abale esse sentimento! O que ocorreu é obra de uma pessoa mesquinha e infantil, que eu um dia considerei uma amiga, mas hoje se tornou alguém que nem merece que eu me preocupe com as coisas que ela faz!
- Amor...eu não estou preparado para voltar à universidade tão cedo e, se não te importares, eu queria ira pra casa descansar e refletir sobre tudo isso!
- Eu entendo amor, não se preocupe! Só quero dizer mais uma coisa: o que nós estamos fazendo não tem nada de errado! Ser gay não tem nada de errado! Independentemente do que os seus pais, a sua babá ou qualquer outra pessoa diga!
- Amor...muito obrigado! Eu te amo!
- Eu também te amo! - Enzo o abraçou forte e o beijou, então prosseguiu falando - Agora me deixa em casa, por favor! e quando chegar em casa me liga, tudo bem?

- Claro! eu ligo sim, com certeza!

Durante uma semana, Daniel não foi à universidade e quase não se comunicou com Enzo ou qualquer outra pessoa. Este, por sua vez, continuou frequentando a universidade imediatamente no dia seguinte ao ocorrido, enfrentando olhares atravessados, expressões faciais de reprovação e cochichos. Em um certo dia ele encontrou Frida sozinha em um dos corredores da universidade, então resolveu falar com ela.

- E ai "amiga"?! - disse em tom irônico.
- E ai traidor! Como é que está o meu ex-namorado? Por que ele não está aqui com você?
- Garota, tens consciência do quanto aquilo que fizestes abalou o Daniel? - disse Enzo em um tom de revolta.
- Tomara que o tenha abalado bastante! Ele merece isso, por ser burro o suficiente para me trair e me trocar por alguém tão baixo quanto você!
- Cala a boca! O Daniel é integro demais para trair alguém, eu já te expliquei que a história não foi assim! Além disso...
- Poupe suas palavras Enzo... - disse Frida o interrompendo - eu não estou nem minimamente interessada em ouvir o que tens a dizer...e como eu disse, isso é apenas o começo! É bom que o seu "namorado" volte logo pra cá, porque, se não, vais sofrer sozinho! - depois de dizer isso, ela riu e foi embora.

Depois de esperar uma semana para que Daniel voltasse por conta própria à UFTU, Enzo resolveu ir até a casa dele. Chegando lá, ele encontrou os pais do rapaz e ficou em dúvida se ele havia contado algo a eles, porém, como foi recebido com cordialidade e eles indicaram que fosse procurar Daniel em seu quarto, acabou concluindo que nada tinha sido revelado. Quando chegou ao quarto, ele encontrou o rapaz deitado, o qual pareceu bastante surpreso com a presença dele ali.

- Amor?! o que você está fazendo aqui?
- Eu vim ver como você estava! Quase não me ligas e não apareces na UFTU há uma semana, como eu ia saber se você não estava morto?!
- Eu estava com saudade da sua dramaticidade - disse Daniel rindo - mas eu precisava de um tempo longe de você!
- Por que? - disse Enzo confuso - eu te faço tão mal assim?
- Não, mas ser exposto daquela forma por sua causa não é tão fácil e...
- Por minha causa?! - Enzo o interrompeu em tom de revolta - por minha causa?!...você quer dizer que o que aconteceu é culpa minha?
- Não...mas... - Daniel tentou se explicar, mas foi, novamente interrompido por Enzo.
- Enquanto você ficou aqui no conforto do seu lar, eu estava lá enfrentando tudo sozinho - Enzo estava irredutível - sendo que, quando você me pediu pra começarmos a nossa história, eu pensei que ficarias do meu lado...
- Tudo bem! me desculpe se eu não sou bom o suficiente pra você então! - respondeu Daniel - agora pode ir embora, por favor? Eu já estou triste o suficiente, eu não preciso de você pra isso.
- Amor...não...
- Enzo!...vai embora, por favor! - disse Daniel com firmeza.

Quando saiu da casa de Daniel, Enzo sentia um misto de raiva pela forma como Daniel havia falado com ele, arrependimento em ter dito as coisas de forma tão dura no calor do momento e decepção, porque pensava ter ido resolver a situação e somente a tinha deixado mais complicada.
Ao chegar em casa, Enzo teve uma surpresa. Guilherme, o seu ex-namorado, estava sentado no sofá da sua sala o esperando.

- Oi filho, olha só que veio te visitar - disse Maria.
- Oi mãe, estou vendo... - disse ele ainda surpreendido pela situação - Oi Gui...o que estás fazendo aqui?!
- Eu vim visitar os meus pais, que estão passando por alguns problemas pessoais, e resolvi fazer uma visita, afinal faz muito tempo que a gente não se vê, certo? - disse o rapaz e em seguida deu um abraço em Enzo.
- É verdade - Disse Enzo enquanto retribuía o abraço.
- Bem, eu vou subir para o meu quarto e deixar vocês dois colocarem a conversa em dia! Boa noite Guilherme! Boa noite filho!
- Boa noite mãe!
- Boa noite dona Maria! Durma bem, e obrigado pela companhia - disse Guilherme.
- De nada meu filho - respondeu Maria.
- Agora me conta, por que estás com essa cara? - disse Guilherme - e não adianta negar, que eu te conheço.
- Não sei se eu quero falar sobre isso Gui...
- O que é? é algum rapaz?
- Você é sempre certeiro né? - disse Enzo rindo - é um rapaz sim, a gente acabou de ter uma discussão e estamos passando por uma situação difícil.
- E o que você está esperando para me contar?! - disse Guilherme.

Enzo contou toda a história dele com Daniel, desde o dia fatídico na cozinha da casa de Frida até a discussão que os dois tinham tido naquela noite.

- Nossa, que história! e você é perigoso mesmo né? - falou Guilherme em tom de brincadeira.
- Deixa de ser palhaço, isso é sério! - Falou Enzo em meio aos risos.
- Calma Enzo, tudo vai dar certo! eu tenho certeza! Tens apenas que esperar as coisas se resolverem e, qualquer coisa, eu estou disponível!
- E quem disse que eu vou te querer - Enzo riu e depois continuou - agora, falando sério, vais querer me enganar que não te envolvestes com alguém lá em São Paulo?!
- Não mentirei dizendo que não me envolvi com algumas pessoas por uma ou duas noites! Mas não encontrei alguém para ocupar o teu lugar como meu namorado.
- Porque eu sou insubstituível - agora era Enzo que falava em tom de brincadeira - nunca se esqueça disso!
- Claro, você é mesmo! - respondeu Guilherme rindo.
- Muito obrigado por me ouvir Gui! meu humor está bem melhor...mas agora me conta as suas histórias, o que aconteceu depois que saístes daqui?

Os dois passaram um bom tempo conversando sobre as histórias ocorridas desde que seguiram caminhos diferentes há alguns anos. Quando estava ficando tarde, Guilherme foi embora e Enzo foi dormir, sentindo-se mais leve, porém sem deixar de pensar no que havia ocorrido mais cedo na casa de Daniel.
Quando acordou, ele teve outra surpresa: Daniel estava sentado na beira da sua cama, segurando um pedaço de bolo de chocolate e, antes que ele pudesse ter qualquer tipo de reação, o rapaz começou a falar:

- Você me desculpa por não ter cumprido a minha promessa, ter sido um covarde, ter te tratado mal e por ter te dito besteiras ontem? - disse ele, enquanto estendia o pedaço de bolo a Enzo - eu te trouxe isso como um sinal do meu arrependimento.
- Trazer o pedaço de bolo foi um golpe de mestre - respondeu Enzo tirando pedaço de bolo da mão de Daniel e o puxando para si.
- Eu te amo! me desculpa, por favor! - Daniel falava entre um beijo e outro - eu sei que você merece alguém melhor, mas eu vou ser egoísta e te pedir para ficar comigo mesmo assim, e...
- Daniel, cala a boca e me beija - respondeu o rapaz, enquanto beijava Daniel intensamente. Depois de alguns beijos, ele recomeçou a falar - eu já te disse mil vezes que você é perfeito pra mim, és ótimo e eu te amo muito! Não vou negar que eu fiquei chateado, mas eu também te disse algumas besteiras, então me desculpe por isso! Eu devia tentar compreender que isso tudo é novo pra você e eu estava te pressionando de uma maneira que você talvez ainda não esteja preparado.
- Enzo, eu te amo tanto! Não há nada para o que eu não esteja preparado se eu tiver você do meu lado, e eu fui um burro ao não me dar conta disso!

Depois de conversarem durante alguns minutos e se reconciliarem, Enzo percebeu que estava atrasado para a aula.

- Meu deus! eu vou chegar atrasado à aula hoje! - disse o rapaz enquanto se levantava sobressaltado.
- Calma amor, a gente chega rapidinho de carro lá.
- Você vai comigo? - perguntou Enzo em tom intermediário de surpresa e felicidade.
- Claro amor! ontem eu percebi que você é tudo o que eu preciso para enfrentar isso! eu estava tentando criar coragem para enfrentar isso e te mostrar o quanto eu posso ser forte, mas o que eu não tinha percebido é que você é quem me dá força! Você me inspira a ser cada dia melhor!
- Nossa amor...que lindo isso! - Enzo deu um demorado beijo em Daniel e depois correu para o banheiro enquanto gritava - eu vou tomar um banho rápido, você pode me esperar aí mesmo!
- Mas e o seu bolo? - gritou Daniel.
- Eu já vou comer! Nem se preocupe, que bolo eu não dispenso!

Quando Enzo terminou de tomar banho, se vestir e tomar café, incluindo o pedaço de bolo que Daniel trouxera, os dois rumaram para a UFTU. Enzo não fazia ideia de que o rapaz tinha mais uma surpresa, até que, quando passaram do ponto em que sempre paravam o carro, ele desconfiou que algo estava diferente.

- Amor, você não vai parar o carro? - disse Enzo curioso.
- Hoje não amor! Não é preciso! - respondeu Daniel confiante.
- Como assim?
- Você já vai ver!

Ao chegarem à UFTU, os dois saíram do carro e caminharam alguns metros, sendo que Enzo ainda estava confuso sobre os planos de Daniel. De repente, Daniel segurou a mão de Enzo, para surpresa do rapaz, e continuou caminhando. Quando chegou a um pátio central do campus, Daniel fez algo que nem mesmo Enzo esperava: deu um beijo intenso, demorado e apaixonado no namorado.
Incrivelmente, este momento causou dois tipos de reação nas pessoas que estavam presentes no campus naquele momento: algumas, como esperado, fizeram comentários reprovadores e franziram o cenho para o que estava acontecendo, porém, a reação mais interessante ocorreu quando alguém começou a aplaudir a cena e foi seguido por um número considerável de pessoas.
Quando o beijo finalmente terminou e os dois perceberam a reação das pessoas, apenas agradeceram timidamente e se retiraram caminhando apressadamente por um corredor até que encontraram um lugar onde puderam conversar sobre o ocorrido.

- Amor, o que foi isso? Eu não esperava - Enzo disse ainda agitado - Você devia ter me avisado!
- Desculpa amor! Mas eu tinha que fazer isso e não ia ter coragem se eu te contasse antes! - Daniel puxou Enzo para si e continuou - Você é meu porto seguro! Eu te amo tanto, que não me importo de fazer esse tipo de exposição pública!
- Você não precisa amor! Olha, eu adorei o que você fez hoje, mas não precisamos mais desse tipo de exposição! - Enzo acaricia o rosto de Daniel e lhe dá um breve beijo - Eu também te amo muito e não preciso que os outros aprovem isso!
- Desculpe amor, acho que fiz besteira né?!
- Claro que não! Como eu disse, eu adorei! E eu sei que você teve a melhor das intenções! Isso só me faz te amar ainda mais, porque eu sei que isso foi tão difícil pra você quanto pra mim!
- Realmente! - Daniel começou a rir - eu estou tremendo até agora!
- Bem, agora eu preciso ir para a aula amor! Que horas você vai sair daqui?
- Minha aula termina ao meio dia e a sua?
- Termina às onze e meia, mas tenho outra aula uma da tarde, então vou ficar direto por aqui e comer na "Snack". Você poderia almoçar comigo e me fazer companhia até começar minha aula da tarde?
- Claro amor! Quando você sair, me avise pelo celular e me espera na "Snack", que assim que eu sair vou correndo lhe encontrar.
- Muito obrigado amor! - Enzo deu um beijo e um abraço rápido no namorado - Agora realmente eu preciso ir! Até depois - ele prontamente saiu correndo em direção à sala de aula.
- Até depois - Daniel precisou gritar visto que Enzo já estava a uma boa distância.

Quando Enzo chegou à sala de aula, as pessoas começaram uma salva de palmas que foi rapidamente coibida pelo professor ministrante naquele momento. O rapaz ficou mais envergonhado do que nunca, apesar de no íntimo se sentir estranhamente lisonjeado, então rapidamente sentou na primeira cadeira vazia que avistou e começou a fazer anotações em seu caderno, a fim de, primeiramente, se concentrar em algo que não fosse os cochichos e, claramente, para entender o que estava sendo abordado na aula.
Naquele dia a aula terminou bem mais cedo, aproximadamente dez e meia, e Enzo se dirigiu à lanchonete como tinha combinado com o namorado, embora ainda tivesse que esperar algum tempo para encontrar com Daniel. Desse modo, o rapaz resolveu revisar as anotações que efetuara durante a aula para passar o tempo, porém, alguns minutos após começar essa tarefa alguém, inesperadamente, aproximou-se da mesa em que ele estava e disse:

- Oi!
- Oi amor - disse Enzo sem tirar os olhos das anotações, pois imaginara que fosse Daniel - Eu pensei que...- ao levantar a cabeça e avistar um completo desconhecido ele reformulou a sua fala - Quem é você?
- Desculpa, não queria te assustar! Meu nome é Pietro...e eu queria te cumprimentar pela cena de hoje cedo no pátio central! É necessária muita coragem para se assumir assim na frente de toda a universidade.
- Não me assustastes, eu só pensei que fosse outra pessoa! - explicou Enzo - Bom...de qualquer forma, obrigado! Mas o que te levou a vir até aqui só para me cumprimentar?
- Posso me sentar?
- Claro, eu estou com um tempo livre mesmo! E fiquei bastante curioso com a tua atitude!
- Obrigado - disse Pietro enquanto se sentava - Olha, na verdade eu fiquei realmente bastante comovido com a atitude de vocês em se assumir assim publicamente enquanto um casal e então eu te vi aqui sozinho e resolvi vir falar contigo, embora não soubesse muito bem o porquê! - ele começou a rir.
- Eu entendo! Bem, mas és homossexual?
- De certa forma sim...na verdade, acho que o melhor termo seria bissexual. Mas isso é bastante novo pra mim.
- Deixe-me adivinhar...não tens ninguém para conversar sobre isso né?!
- Acertou! - ele instantaneamente corou e baixou a cabeça - Eu não sei muito bem porque vim falar contigo...é muita loucura vir falar contigo só porque és homossexual? - ele levantou a cabeça novamente com uma expressão de embaraço.
- Bem...talvez - Enzo riu brevemente - eu não saberia muito o que te dizer...
- Desculpa te incomodar...eu não sei o que eu tinha na cabeça! - Pietro se levantou da cadeira.
- Espera! Eu não disse que a gente não podia conversar! Não posso te ajudar nesse assunto porque não te conheço, mas podemos nos conhecer - Enzo fez sinal para que o rapaz sentasse novamente - Senta aí e me fala sobre ti.
- Tudo bem...- Pietro sentou novamente e começou a procurar as palavras para começar - bem...o que queres saber?
- O que quiseres falar - ambos riram.

Pietro contou a Enzo, entre muitas outras coisas, que estava cursando o segundo semestre de Fisioterapia e sempre se relacionou com garotas, embora há cerca de dois meses tenha se envolvido com um rapaz de sua turma, o qual, assim como ele, está em um processo de descoberta bissexual. Os dois permaneceram conversando até que Daniel chegou à "Snack". Quando Enzo o avistou, prontamente disse:

- Oi amor! Pensei que não fosses mais vir! - Enzo se levantou e foi dar um abraço no namorado.
- Desculpa amor! O professor não parava de falar e quis levar a aula até o último minuto! - Disse Daniel retribuindo o abraço e, quando avistou Pietro cochichou para Enzo - Quem é esse amor? É um amigo seu?
- Longa história amor, depois te conto direitinho - Enzo cochichou de volta e então se virou para Pietro dizendo - Amor, esse aqui é o Pietro, um amigo meu!
- Oi cara, tudo bem? - Daniel estendeu a mão para o rapaz.
- Tudo bem! - Pietro apertou a mão de Daniel - Prazer em te conhecer!
- Igualmente!
- Bom, agora que chegastes eu vou pra casa - Pietro se levantou e então se dirigiu a Enzo que ainda estava de pé - Muito obrigado Enzo, até mais!
- Até mais Pietro - Respondeu Enzo - a gente se vê por aí.
- Com certeza - respondeu Pietro enquanto ia embora.

Enzo contou toda a história de como conhecera Pietro para Daniel, o qual comentou:

- Nossa amor! muito estranho ele vir falar com você tão de repente!
- Eu também achei amor, mas ele até que é um rapaz bastante simpático! - disse Enzo.
- Hummm! Não precisava elogiar também né!
- Ciúmes uma hora dessas! - Enzo riu - Você sabe que ele não tem a menor chance contra você né?!
- Claro que sei! - Daniel riu e então o beijou.
- Amor... a minha aula vai começar daqui a pouco!
- Já amor! - Lamentou Daniel - poxa, por causa daquele professor eu nem consegui te fazer companhia e fui substituído por esse tal de Pietro! Inadmissível! Eu quero que você vá jantar comigo hoje lá em casa para compensar! Você pode?
- Deixa de ser bobo! - respondeu Enzo rindo - Mas eu acho que posso amor!
- Ótimo! Você se importa se eu não vier te buscar, é que eu mesmo quero preparar algo e isso pode levar algum tempo!
- Claro que não amor! Eu pego o metrô e chego lá rapidinho!
- Então tá certo! Vamos, eu vou te levar até a sua sala! - disse Daniel se levantando.

Daniel deixou Enzo na sala de aula e seguiu para casa, a fim de preparar um dos itens do seu restrito repertório culinário: macarronada. Apesar do prato não demorar muito, o que ele realmente estava pensando quando deixou de ir buscar Enzo era preparar a casa de um jeito especial para recebê-lo, com toda a liberdade já que os seus pais, como sempre, estavam viajando.
Quando Enzo chegou, por volta do final da tarde, ele apertou a campainha e o portão destrancou em seguida, então ele entrou, estranhando o fato da casa estar com praticamente todas as luzes apagadas. Ao chegar à sala de jantar, ele encontrou Daniel em pé ao lado da mesa, que estava decorada com velas. Este se aproximou de Enzo e então perguntou:

- O que achas amor? Muito piegas?
- Absolutamente não! - Enzo respondeu e então beijou suavemente o namorado.
- Então você gostou?
- Eu não tenho nem palavras para descrever como eu me sinto!
- Então se acomode - Daniel puxou uma cadeira para Enzo sentar - enquanto isso eu vou buscar o que eu preparei.

Daniel voltou trazendo a macarronada e uma garrafa de vinho, então os dois jantaram e conversaram por alguns minutos. Depois disso, passaram para a sala de estar onde continuaram conversando, porém começaram a trocar carícias e beijos. Em meio a isso, Enzo disse:

- Amor, eu adorei o que você fez hoje!
- Que bom amor! Eu sempre faço tudo para te deixar feliz! Porque você é o amor da minha vida!
- Você também é o amor da minha vida! - Enzo o beijou novamente então continuou a falar - Realmente não tem perigo dos seus pais chegarem de repente amor? Afinal, pra onde eles viajam tanto?
- Não amor! a minha mãe passa dias fora fechando negócios pela empresa em que ela trabalha e o meu pai está sempre empenhando em algumas causas do tribunal.
- Entendi...mesmo assim, eu prefiro que a gente fique no seu quarto, tudo bem?
- Claro, eu já ia te convidar para subir mesmo! Vamos!

Daniel bebera bem mais que Enzo naquele dia, por isso ele estava um pouco tonto e bem menos inibido por causa do álcool. Desse modo, enquanto os dois estavam deitados na cama de Daniel, conversando e trocando carícias, e o clima, naturalmente, "esquentou", Daniel se portou de forma diferente da última vez, dizendo:

- Amor, eu acho que dessa vez eu estou pronto para avançar um passo na nossa relação! - Ele beijava e acariciava Enzo de forma bastante intensa enquanto dizia isso.
- Amor... - Enzo parou e pôs a mão na face de Daniel - Eu quero muito que isso aconteça...mas não assim...
- O que você quer dizer? - disse Daniel sem entender.
- Bom, eu acho que você só está pronto por causa do vinho e eu não quero que a nossa primeira vez seja impulsionada por isso! Desculpa se eu estou sendo chato, mas...

A discussão foi interrompida por um barulho no andar de baixo, seguido de passos na escada. Rapidamente Daniel exclamou:

- Amor, acho que são meus pais! Vai pro banheiro, rápido!
- Meu deus! - disse Enzo, enquanto corria para o banheiro.

Exatamente quando o rapaz entrou no banheiro, a porta do quarto de Daniel abriu e o seu pai surgiu, dizendo:

- Boa noite filho! Pensei que já estivesse dormindo!
- Ainda tô sem sono pai! - disse Daniel ainda nervoso - como foi a viagem?
- Um pouco cansativa, mas é sempre bom viajar não é?
- Claro pai... - Daniel foi interrompido por um barulho no banheiro.
- Quem está no banheiro filho?
- Ah...é o Enzo pai, ele veio dormir aqui hoje! - Daniel estava imensamente nervoso - Espero que não tenha problema!
- Problema nenhum filho! - o pai de Daniel se dirigiu até o banheiro, bateu à porta e falou para Enzo - Como vai Enzo? Fazia tempo que não te via!
- Oi seu Pedro! - disse Enzo ainda dentro do banheiro - Espere só um instante que eu já vou sair para cumprimentá-lo.

Os dois rapazes, ainda que muito nervosos com a situação, conversaram por alguns instantes com o pai de Daniel, até que este anunciou que ia dormir, pois estava cansado da viagem:

- Bem rapazes, eu já vou me retirar, pois eu preciso descansar direito! Boa noite pra vocês e foi muito bom revê-lo Enzo! Apareça qualquer outro dia desses, quando a Joana estiver por aqui, pra gente colocar o papo em dia.
- Tudo bem seu Pedro, apareço sim! - respondeu Enzo.

Quando Pedro tinha efetivamente se retirado do quarto, Enzo virou para Daniel e exclamou:

- Você não disse que não havia risco de que eles chegassem hoje?!
- Amor, como é que eu ia imaginar que o meu pai ia chegar assim tão de repente! Tamanha hora da noite!
- Eu fiquei com tanto medo que ele nos flagrasse! Afinal eu não quero te trazer problemas!
- Você não me traz nenhum problema! Isso foi só um imprevisto, não tinha como nós adivinharmos que isso ia acontecer! Relaxa amor! Mas e quanto ao que a gente estava conversando antes dele chegar...
- A gente pode conversar sobre isso amanhã? Eu não estou muito afim de falar sobre isso agora! Na verdade eu tô morrendo de sono!
- Tudo bem! Vamos dormir! - Daniel beijou o namorado, então, lembrando de uma coisa importante, continuou a falar - mas...nós vamos ter que colocar o colchão no chão pra você dormir, já que o meu pai tá em casa!
- Eu imaginei... - ambos riram.

Depois de arrumarem tudo, os dois, finalmente, se deitaram para dormir. Porém, antes de dormir, Enzo ainda passou algum tempo refletindo sobre o que acontecera naquela noite com o pai de Daniel e chegou à conclusão de que eles precisavam conversar sobre aquilo, embora ele soubesse que ia ser bastante complicado, pois haviam dois sentimentos conflitantes para ele nessa história: primeiramente, ele não gostava da ideia de ter que mentir para o pai de Daniel, pois ele não achava justo e nem correto fazer isso enquanto estava sob o teto dele, então precisava pedir ao namorado que esclarecesse a situação para os pais; por outro lado, ele sabia que Daniel já havia demonstrado anteriormente o quanto o amava fazendo a revelação pública do relacionamento na UFTU e poderia ser exigir demais dele ter que, logo em seguida, contar para os pais sobre a sua orientação sexual.
Daniel interrompeu os pensamentos dele dizendo:

- Boa noite amor! Eu te amo!
- Eu também te amo amor! Durma bem! - Enzo novamente estava em conflito sobre continuar mantendo em segredo o relacionamento e contrariar os seus princípios por amor a Daniel. Então ele lembrou o quanto isso dera errado com Frida, o que o deixou ainda mais confuso.

No dia seguinte, os dois acordaram, vestiram-se para ir à UFTU e tomaram café da manhã juntos. Durante a refeição, Enzo resolveu compartilhar suas angústias com Daniel, visto que Pedro já havia saído para trabalhar e eles ainda tinham algum tempo antes de irem para a universidade. Então ele iniciou a conversa dizendo em tom sério:

- Amor, acho que precisamos conversar sobre algumas coisas...
- O que foi amor? - Daniel repousou a xícara de café sobre a mesa percebendo o tom do namorado - Por que essa cara?
- Que cara? - Enzo não tinha percebido que conflito interno relacionado a falar sobre aquele assunto o tinha feito assumir uma feição fechada - Desculpe... - disse ele assumindo uma feição mais leve - Eu não queria estragar esse lindo café da manhã com essa conversa chata, mas eu preciso compartilhar isso com você! Eu não gostei de ter mentido ontem pro teu pai, fingindo que éramos apenas amigos e que a gente não passou boa parte da noite namorando...amor eu não gosto desse tipo de situação...
- Amor...desculpa, eu não queria te colocar nessa situação, mas ele chegou de repente...o que eu poderia ter feito naquela situação?
- Eu não me refiro somente a hoje, eu estou falando da situação como um todo...eu não posso ficar frequentando a sua casa e cumprimentando os seus pais como se eu fosse meramente um amigo seu - Enzo percebeu que havia inconscientemente aumentado o tom de voz, então ponderou e prosseguiu - Eu te amo Daniel, mas eu não quero me submeter a uma situação em que eu tenha que mentir e me sentir culpado por gostar de ti! Na qual eu tenha que olhar nos olhos do teu pai e mentir sobre a tua importância pra mim!
- Espera amor...você quer que eu vá imediatamente e diga pro meu pai que nós estamos namorando? - Daniel levantou da cadeira e continuou - Aquele que me repreendeu veementemente quando eu era criança, por um acontecimento bobo como aquele que eu te contei? Aquele que põe a religião acima de tudo e pensa que um homossexual é tão repulsivo e vai queimar no Inferno? - lágrimas começaram a escorrer pelo rosto de Daniel e Enzo se levantou em direção a ele - É...para esse homem que você quer que eu conte? Eu esperava um pouco mais de compreensão da sua parte Enzo!
- Amor! - Enzo o abraçou - Desculpa, eu não quis ser insensível, mas eu...esquece...esquece o que eu disse amor!
- Acho que é melhor a gente ir pra UFTU - disse Daniel, afastando Enzo - Você já terminou de tomar café?
- Já amor - Apesar da sutileza de Daniel, Enzo percebera o quanto tinha magoado o namorado e desejava não ter iniciado aquela conversa.

A partir daquele momento Daniel não proferira qualquer palavra. No carro, quando estavam a caminho da UFTU, Enzo não pôde mais aguentar e quebrou o silêncio que se estabelecera entre eles:

- Daniel, desculpa! Você não vais mais falar comigo? É isso mesmo?
- Amor... - Daniel procurou um lugar para parar o carro, virou para Enzo e, olhando profundamente em seus olhos, continuou - Eu estou muito chateado e não quero ser rude com você! Eu não quero mais falar desse assunto e adoraria que você pudesse me compreender e deixar pra gente conversar outra hora!
- Mas amor... - Enzo decidiu que não adiantava tentar, então baixou a cabeça e assentiu - Tudo bem! Mas eu não posso mais ficar nesse carro, esse silêncio entre a gente é muito ruim e eu prefiro ir andando!
- Claro que não amor! - protestou Daniel.
- Não se preocupe...são apenas três quarteirões até a UFTU - Enzo abriu a porta do carro, saiu e continuou a falar - e eu tenho mais tempo antes de começar a aula do que você! Pode ir, eu vou ficar bem!
- Tudo bem, mas tenha cuidado e me liga quando sair da aula!
- Pode deixar! e... Desculpa de novo pelo que eu disse - ele olhou para baixo, então fechou a porta do carro.

Enquanto caminhava em direção à UFTU Enzo se lamentava muito por ter magoado Daniel dizendo aquelas coisas, afinal ele apenas estava tentando dizer o quanto a ideia de mentir o desagradava, mas nunca quis pressionar Daniel da forma como ele dissera. Porém, no fim das contas, ele dava razão a Daniel em ter se magoado, pois ele imaginava o quanto fora traumático para o namorado o que ocorreu quando ele tinha sete anos e como devia ser difícil pra ele contar aos pais sobre a homossexualidade, então ele pensou: Droga! O que eu devo fazer, já que eu não quero magoar o Daniel e nem ir contra os meus princípios? Quando ele estava a um quarteirão de chegar à universidade, ainda perdido nesses pensamentos, Enzo sentiu alguém tocar o seu ombro e lhe puxar de volta à realidade. Ao olhar para a pessoa, Enzo percebeu que era Pietro, o rapaz que conhecera outro dia na "Snacks", o qual lhe cumprimentou:
- Bom dia Enzo!
- Oi...Bom dia Pietro - Enzo estava visivelmente pouco empolgado naquele dia, o que chamou a atenção de Pietro.
- Tudo bem contigo? Aconteceu alguma coisa?
- Não Pietro...bem, na verdade eu acabei de discutir com o Daniel...
- Cara...tenso...Quer conversar sobre isso? Ainda tenho algum tempo antes da aula!
- Claro...por que não... - Enzo não sabia muito bem o porquê, mas sentiu que precisava conversar com alguém e, considerando-se que Frida agora era uma inimiga mortal, a única pessoa com quem poderia fazer isso era aquele rapaz que ele mal conhecia - vamos até a "Snacks".

Naquele exato momento, a recém citada "inimiga mortal" de Enzo estava chegando à universidade e viu quando ele encontrou com Pietro, então resolveu segui-lo. Quando chegou à lanchonete, ela permaneceu afastada da mesa em que Enzo conversava com Pietro, observando-os.
Assim, Enzo explicou o motivo da discussão com Daniel, omitindo fatos muito pessoais para serem expostos a um quase total desconhecido e, principalmente, o fato ocorrido na infância, que o namorado compartilhara com ele. Após ouvir tudo atentamente, Pietro disse:

- Complicada a tua situação...eu te entendo quanto à parte da mentira e tudo, mas o teu namorado tem razão, se o pai dele for tão rígido com essa questão como parece, não há como ele jogar essa bomba em cima dele assim, de repente!
- Eu sei Pietro, e é isso que está me matando! Eu deveria ter pensado mais antes de falar e agora ele está chateado comigo!
- Calma Enzo! - Pietro, inesperadamente, pegou na mão de Enzo, sorriu pra ele e continuou - Tudo vai dar certo! O Daniel não é bobo, ele sabe o quanto és legal!
- Ah... - Enzo desvencilhou as mãos das de Pietro e continuou a falar - Obrigado Pietro! Por tudo: ouvir, encorajar...pelo elogio! Eu precisava conversar com alguém! Antes eu tinha uma amiga com que eu conversava...
- Bom dia Enzo... - disse Frida o interrompendo - Quem é o seu amigo? Alguma presa nova?
- Frida.... - Enzo levou um tempo para se conter e não agredir a garota ali mesmo - Cala a boca! O que você quer aqui?! Destilando veneno como sempre?
- Você até que é bonitinho! - disse ela se dirigindo a Pietro - Não se deixe enganar pelas aparências, esse aí não vale um centavo! - sem esperar nenhuma resposta, a garota saiu rindo.
- Conheces essa garota Enzo? - disse Pietro surpreso!
- Infelizmente sim! Ela é da minha turma e éramos amigos...uma longa história que eu vou ter que te contar outro dia, porque eu já estou atrasado para a aula!
- Tudo bem, também já está no meu horário! A gente se vê por aí então!
- Com certeza! Até mais!

Enzo se dirigiu apressadamente para a sala de aula, ainda pensando na discussão com Daniel, mas também em como Pietro havia sido gentil em lhe escutar e acalmar. Enquanto isso, já na sala de aula, Frida estava mandando uma mensagem para Daniel com um a foto recém tirada na qual Pietro segurava a mão de Enzo.

Acho que o seu namoradinho tem outra presa! Cuidado! ;)

A garota havia tirado a foto, aproveitando o momento em que Enzo estava distraído conversando com Pietro. Quando mandou a mensagem ela pensou: Eu tenho certeza que o Daniel vai ficar muito chocado quando ver essa foto! Eu não tenho certeza se aquele traidor do Enzo o está traindo, mas tanto faz! Quando o Daniel receber essa mensagem estará tudo acabado entre eles e eu vou ter minha vingança contra esses dois!
Alheio a isso, Enzo assistiu à aula normalmente e, ao final, ligou para Daniel, perguntando se eles poderiam se ver ainda neste dia e, para sua surpresa, o namorado afirmou que precisava conversar com ele imediatamente. A princípio, pensou que ele o teria perdoado pelo que acontecera de manhã, mas ele estava para descobrir que o assunto era outro. Quando chegou à casa de Daniel, ele o encontrou sentado no sofá, com os olhos vermelhos e uma expressão triste, como se tivesse chorado bastante, então prontamente indagou:

- Amor...Aconteceu alguma coisa? Você andou chorando?
- Andei Enzo... - Daniel assumiu uma expressão mista entre raiva e tristeza - Você pode me dizer, por que fez isso? - Ele entregou o celular, cujo visor mostrava a mensagem que Frida havia mandado mais cedo. Quando Enzo viu o conteúdo da mensagem, a sua expressão mudou drasticamente e ele estava visivelmente assustado.
- Amor...o que significa isso?
- Acho que era você quem teria que explicar certo?
- Amor... - Enzo estava atordoado - Você não pode acreditar no que está escrito aqui! A Frida só quer separar a gente!
- NÃO POSSO ACREDITAR ENZO?! - Daniel explodiu - Primeiro você me diz que eu te coloco em uma posição na qual você não quer estar, ou seja, o nosso relacionamento está sendo um fardo pra você! Depois eu recebo uma foto em que você está de mãos dadas...DE MÃOS DADAS...com esse sujeito que, estranhamente, você conheceu semana passada! O que você quer que eu pense?
- DESCULPA! Desculpa, mas é só isso que eu posso dizer sobre o que aconteceu hoje de manhã! Eu deveria ter pensado mais em você, tudo bem, eu reconheço! Mas, outra coisa completamente diferente é você pensar que eu te trairia com o Pietro!
- Então como você me explica essa foto Enzo?! Meu deus, não foi uma fofoca boca a boca, a Frida me mandou uma foto Enzo!
- A Frida é uma vaca que só quer nos separar! Eu estava conversando com o Pietro hoje e ele, de fato, segurou a minha mão sim e eu não vou mentir que entendi o porquê dele ter feito isso, mas não foi pelo motivo que você está pensando! Eu estava muito mal por nós termos discutido hoje e precisava conversar com alguém, então eu encontrei o Pietro quando estava chegando à UFTU e nós conversamos algum tempo na "Snacks", onde a Frida tirou essa foto!
- Mas Enzo, porque você ficaria de mãos dadas com ele assim?! Você nem gostava que NÓS ficássemos assim logo no início e agora faz isso com um estranho! Ainda tem mais uma coisa, você não quis me explicar porque me rejeitou ontem quando eu disse que estava pronto para avançar no nosso relacionamento! Enzo, seja sincero comigo, você está saindo com esse cara? Ele é menos complicado que eu...
- PARA! - Enzo também explodiu - Eu nunca te dei motivos para duvidar de mim assim! Se você pode acreditar tão facilmente em qualquer mentira que a Frida invente é porque não confia em mim, e um relacionamento não se constrói dessa maneira!
- Mas Enzo...
- Escuta! - Enzo interrompeu - Primeiro, eu não te traí com o Pietro! Já confessei que conversei com ele hoje e de fato ele pegou na minha mão por alguns segundos, tempo suficiente pra Frida tirar essa maldita foto, mas não que eu tenha permitido, porque realmente não gosto de me expor desnecessariamente! Segundo, eu não quis fazer amor com você, porque você estava praticamente bêbado e apenas desinibido pelo vinho! Eu quero que isso seja especial e quando você de fato se sentir preparado! A gente já adiou isso tantas vezes e eu nunca tive problema com isso, por que iria querer que a nossa primeira vez fosse tão sem romantismo? Confia em mim, eu te amo! Eu fui um insensível hoje de manhã quando te disse aquilo, mas eu fiquei assustado com a possibilidade de as coisas irem tão mal com o seu pai quanto foram com a Frida, caso ele descubra por si mesmo que a gente está namorando! Mas se você não está pronto, tudo bem! Desculpa pelo que eu disse hoje, eu mereço que você esteja com raiva de mim, mas, por favor, não duvida que eu te amo e sou fiel a você!
- Amor... - Daniel estava chorando, mas suas feições haviam mudado e Enzo pôde perceber que ele tinha acreditado nele - Me desculpa também! Mas é que eu fiquei louco quando vi essa foto! Só de pensar que você poderia querer outra pessoa...que eu não fui suficientemente bom pra você...
- Você é mais que "suficientemente bom pra mim" - Enzo abraçou forte Daniel - Você é perfeito! Eu é que sou muito exigente com as coisas, por isso comentei aquela questão do teu pai, mas eu estava errado, talvez ainda não seja a hora...
- Não! Mais uma vez você tinha razão e teve que me pressionar pra eu ver isso! Realmente seria bem melhor se eu pudesse falar para os meus pais que... - o celular de Daniel começou a tocar e ele verificou que era seu pai ligando - Amor...é o meu pai, preciso atender tá?
- Tudo bem!

Enquanto observava Daniel falar ao celular com o pai, Enzo percebeu que o namorado, progressivamente, mudou a expressão ao longo da conversa, passando de feições de espanto e preocupação, para horror, até começar a chorar e dizer: não, não. Então, Enzo indagou:

- Amor, o que foi que aconteceu?!
- Amor...a minha mãe... - Daniel se esforçava para falar entre as lágrimas e o desespero - a minha mãe sofreu um acidente grave! Ela está no hospital, na UTI! Preciso ir até lá ver como ela está!
- Eu vou com você! Vamos!
- Mas o meu pai vai estar lá amor...e...
- Tudo bem, eu serei só seu amigo por enquanto...Depois a gente vê essa questão, nesse momento o que interessa é ver como a sua mãe está!






Anterior                                           Próximo


4 comentários:

  1. Estou lendo muito ansioso...teria por acaso este material em PDF?? Pq fica ruim ler na net.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado. Infelizmente, não tenho o material em pdf.
      Espero que continue acompanhando.
      Abraço.

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir